A Netflix na CCXP 2016

  • Estandes e exclusividades

Mais uma Comic Con Experience passa e mais uma vez a Netflix estava presente nela, com um estande sensacional e uma variedade gigantesca de conteúdos. É impressionante como o canal de streaming ganhou a paixão do público brasileiro. E eles não decepcionam e trazem cada vez mais coisas exclusivas para o evento.

É preciso começar falando sobre o estande, com atrações sensacionais e sempre dando pôsteres das séries para quem participava. As melhores ficam por conta da sala de spoilers, na qual você poderia soltar todas as revelações gigantescas que você quisesse para poder falar com alguém sobre. Logo na sequência, fica por conta do jogo da mente de Stranger Things, que continha uma fila gigantesca. As regras eram simples: você decorava as letras que iam piscando e entrando num ranking que era feito, como em Genius. Por fim, é impossível não destacar o estande de 3%, logo ao lado, onde se realizava a prova dos cubos, mostrada no 2º episódio do seriado. Filas gigantes eram formadas, mas foi impressionante a quantidade de pessoas que saía com um sorriso no rosto.

Foi trazido também para o Brasil a exibição exclusiva do especial de natal do seriado Sense8, que conseguimos assistir com exclusividade e terá a crítica no dia 23, quando sai o episódio. Poucas pessoas conseguiram entrar no Auditório Prime para assistir ao evento, devido ao acesso ser extremamente restrito. Mas valeu a pena pra quem conseguiu entrar, afinal foram as duas primeiras exibições do mundo sobre esse especial.

  • Entrevistas

A Netflix nos convidou (inclusive, um agradecimento especial aqui para ela) para estarmos presentes nas entrevistas coletivas com o elenco de 3%, Shadowhunters, Sense8 e ver Neil Patrick Harris divulgando Desventuras em Série. Vamos, assim, comentar um pouquinho sobre isso. 

A que iniciou foi de 3%, com uma quantidade muito grande de jornalistas, mas o problema ficou nas perguntas, que focaram demais nas críticas negativas que a série estava recebendo. Mesmo assim, foi possível ver, de uma maneira muito boa, a felicidade dos atores com a recepção de público, além de falarem bastante da dificuldade de se criar uma distopia no Brasil. Foi falado sobre o fator de uma possível dificuldade de gravar o seriado, devido a retratar a questão social, algo que acaba sendo tratado como extremamente comum no nosso país. Por fim, houve uma mescla na tentativa de se basear no piloto da websérie feito a alguns anos.

Em sequência veio o elenco de Shadowhunters, que relataram bastante a dificuldade de se entrar numa franquia que já possui livros e um filme, com uma base de fãs bem grande, algo que inicialmente os assustou, mas depois é tratado de uma forma divertida. Todos disseram que adoram ver os debates entre os fãs de qual seria a melhor obra. Falaram bastante também sobre os brasileiros, que se demonstraram extremamente carinhosos e com uma recepção maravilhosa com todo o casting.

Depois disso, Neil Patrick Harris apareceu – e foi quando a sala de entrevista mais lotou – para falar sobre Desventuras em Série. Ele se mostrou extremamente simpático e versátil. Mostrou bastante sobre como foi fazer as várias faces de Olaf e disse que precisava ser muito amedrontador, algo que ele via como difícil. Falou também que o seriado irá chegar a todos os públicos e que terá números musicais, algo que ele próprio propôs (Neil é também artista da Broadway). Harris comentou muito sobre as dificuldades que ele teve ao pensar o personagem, focando na questão da voz, que ele buscou se diferenciar do livro e de Jim Carrey, e na quantidade de próteses, na qual seriam de 2 a 3 horas por dia até ele conseguiu estar 100% no papel. Por fim, falou que os fãs dos livros terão surpresas gigantescas com o seriado.

Para fechar, Tina Desai, Brian J. Smith e Miguel Ángel Silvestre, do elenco de Sense8, apareceram para responderem algumas perguntas. Foi falado bastante sobre o tema da diversidade na série, algo que se demonstrava muito intenso devido as irmãs Wachoswski. Disseram também que as cenas de sexo irão continuar, com o mesmo peso dramático e de diversão, e Brian disse muito que gostava quando as pessoas comentavam sobre isso, pois é algo extremamente natural dos humanos. Ao final, comentaram que quando seus personagens estão tristes, encontram nos outros sensates a felicidade e talvez essa seja a grande força do seriado.

A Netflix proporcionou ao público muitas alegrias nesse ano, trazendo uma quantidade bem grande de convidados internacionais, algo que chama muita atenção para o destaque que a produtora tem dado ao Brasil, como visto nas duas primeiras edições da CCXP. Sendo assim, o desejo geral é que no próximo ano continuem muitos nomes gigantes do mercado de entretenimento internacional vindo ao nosso país, divulgando cada vez mais conteúdos para a felicidade de todos.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido… e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *