Cinema brasileiro nos últimos 20 anos: 2004-05 (Parte 4)

Chegando na metade da primeira década do século XXI, o momento para o Brasil na sétima arte era de expansão. Mesmo com um ano sem grandes forças – internacionalmente falando – para o cinema, a expansão das salas (que chegaram ao número de 2 mil em 2005) e também o maior interesse do povo na produção do seu país foram fatores claros de se observar.

Um dos grandes expoentes a ser comentado é 2 filhos de Francisco, de Breno Silveira. Mesmo sem ser uma obra totalmente esperada e elogiada pela crítica, o fator “público” foi decisivo para o sucesso, por se tratar da história de uma das maiores duplas sertanejas da história do país: Zezé de Camargo e Luciano. Com mais de 5 milhões e 300 mil espectadores, o filme entrou no hall de maiores sucessos de bilheteria nos anos 2000.

Sucessos

Esses dois anos foram marcados por algumas biografias que também fizeram grande sucesso perante público e  crítica, como Cazuza – O Tempo não Para e Olga.

O primeiro citado acabou por ser a história de um dos maiores nomes da música do país transportadas para a telona pela primeira vez. Com direção dos experientes Walter Carvalho e Sandra Werneck, o longa levou pouco mais de 3 milhões de pessoas aos cinemas. Um dos maiores elogios veio para a atuação do protagonista Daniel de Oliveira, que chegou a ganhar o Grande Prêmio Brasileiro.

Já o segundo não teve a mesma resposta da crítica especializada, mas também acabou atraindo uma grande quantidade de espectadores. Com mais de 3 milhões, ainda que um pouco menos que Cazuza, a obra conseguiu arrecadar R$21 milhões, quase dobrando o seu orçamento de R$12 milhões. O maior destaque veio, novamente, para o protagonismo da história. Camila Morgado eternizou uma das figuras mais curiosas da política brasileira.

Outros destaques

Dentre mais filmes que também chamaram atenção entre 2004 e 2005 estão: Meu Tio Matou um Cara, que marcou o deslanchamento da carreira de Lázaro Ramos; Quanto Vale ou É por Quilo?, que tinha uma história totalmente focada no racismo e como esse está entranhado no Brasil); Cinema, Aspirinas e Urubus, talvez o único com maior sucesso mundialmente já que disputou no Festival no Cannes e foi premiado com o prêmio da educação nacional pelo MEC; e O Outro Lado da Rua, esse que marcava a volta de Fernanda Montenegro aos grandes papéis em uma obra cheia de referências a Hitchcock.

Transição

Esses dois anos foram marcados por uma transição da retomada do cinema brasileiro, que na época já se mostrava estabelecida. Os investimentos em cultura estavam cada vez mais altos e a melhora na economia gerou um interesse cada vez maior do povo pela arte do país.

Apesar disso, os frutos feitos por Cidade de Deus ainda estavam sendo colhidos nesses dois anos e faltava algo para tomar o lugar na audiência, o que acabaria acontecendo só em 2007.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido... e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *