Devolver Digital não anuncia novos jogos mas conquista com novo estilo de conferência humorada

A distribuidora de jogos independentes Devolver Digital marcou na madrugada dessa segunda-feira (12/06) uma apresentação um tanto quanto inusitada.

Grande e luxuosa conferência 2017

O amanhã de sem ética business praticado hoje!

A conferência seguiu logo após a da Bethesda. Sem muito alarde com a apresentação anterior, ninguém saberia o que estava nos planos da pequena empresa. Com todo o hype em cima disso e o (não tão) alvoroço esperado pela Bethesda, o Twitter oficial representante da distribuidora postou a seguinte frase em resposta a dúvida sobre a competência de sua aparição:

”Não existe nenhuma chance que Bethesda, Ubisoft, Microsoft, Devolver Digital, ou a Sony possam ser tão ruim quanto esse desastre hoje.”

E a resposta:

”Segure a minha cerveja.”

Previamente, os assessores da empresa já tinham avisado que não iriam anunciar nenhum jogo novo. Com isso, o clima na internet foi se espalhando em dúvidas sobre o conteúdo que seria falado. A distribuidora é famosa por aclamados títulos como Hotline Miami, Shadow Warrior, The Talos Principle e Broforce. Sua característica mais marcante é apoiar jogos com estética de 8 e 16-bits.

Essa é a primeira conferência oficial que a Devolver tem dentro dentro do maior evento jornalístico de jogos dos últimos tempos. A expectativa e a pressão eram vias de sucesso ou reprovação.

Nina Struthers na abertura da conferência da Devolver Digital empunhando uma arma

O que vimos foi um tanto quanto… Mais inusitado do que parecia. Apesar da empresa ter seu histórico de contato agradável com o público, era de se esperar uma abordagem formal no maior estilo Microsoft. O que ganhamos foi isso. Ou quase isso.

A condutora da ”conferência” Nina Struthers deu a introdução ao palco após um pequeno show de aparência caricata contar os últimos minutos para o horário. O chamado ”Pre-Pre Show” foi uma mesa com 4 integrantes da empresa discutindo aleatoriamente sobre jogos e eventualmente fazendo piadas sobre as empresas e participação de Youtubers como o pessoal da Funhaus.

Empunhando uma arma, Nina dá tiros de festim pra cima, falando em um tom de paródia, uma óbvia referência aos tantos representantes de empresas grandes que entonam a voz mas tentam ser amigáveis ao público. O resto do discurso se conduziria com participações de um público fictício que passava na tela com meninas comendo pipoca em uma sala de cinema e homens de gravatar rindo e batendo palmas. Um show de paródia a parte.

Os jogos mostrados durante o discurso já foram apresentados ao público a algumas semanas atrás.


  • Ruiner

Começando por Ruiner, um shooter que se passa no mundo cyberpunk de Rengkok, em 2091. Em um clima bem escuro e neon em seus encontros e com uma mecânica de reflexos rápidos e visão aérea, o jogo conta com diversos tipos de armas e habilidades, onde o personagem principal tem que escalar sua esquiva natural a necessidade do jogador.

A página do jogo já está disponível na Steam. O jogo ainda não tem data de lançamento, mas fica prometido para esse ano.


No palco, continuam as apresentações. Entre piadas de ”jogar o dinheiro na tela”, perda de membros fictícios, muito sangue e sorrisos cínicos, Milo Lowrie entra para mostrar ao público o novo jogo da série Serious Sam, produzido totalmente por parceiros criativos da empresa.

  • Serious Sam’s Bogus Detour

Dos mesmos desenvolvedores de Hammerwatch, a CrackShell em parceria com a Devolver e a CroTeam estão desenvolvendo um adventure shooter que se passa no mesmo universo do nosso tão querido FPS Serious Sam. O jogo é uma tentativa de reanimar a memória do clássico que já faz parte da história da desenvolvedora, que faz parceria com a CroTeam (que estava sem fundos) e a 2K Games.

Com belíssimos efeitos em 16-bit, sistema de co-op, multiplayer versus e arena score, esse novo jogo dá todo o valor a série antiga em uma visão indie, moderna e muito cativante, prometendo horas de revisita e competição entre as variedades de armas e mobs com a companhia de Sam.

O jogo está prometido para a temporada de verão americana pela Steam.


Explosões, piadas com a ética de empresas, e um final de explodir a cabeça com direito a chuva de sangue sintético e morte teatral dos apresentadores, o show seguiu em outra sala, onde o ”Pre-Pre Show”, totalmente constituído por amigos e funcionários da empresa tentam fazer uma caricatura de um videocast continua.

Uma especial atenção para todos os jogos representados, que vão desde um divertidíssimo plataforma de luta desenvolvido puramente em uma jam de jogos indie chamado Frog Smashers até uma revisita ao clássico da empresa, Hotline Miami, e seu suposto novo ”simulador de levels automático com intuito de fazer novas sequências e ganhar mais dinheiro.”


Com todo esse momento inusitado, deixamos aqui o nosso voto de apresentação favorita da E3, apesar de controversa e… Sem novidades (ou não).

Fato é: a Devolver é uma das empresas mais compromissadas e carismáticas que nós temos na indústria atualmente, e merece seus créditos como primeira apresentação cheia do que nós gostamos de melhor: Promessas furadas, muito sangue e uma jogatina com os amigos!

Comentários

Clarissa Ferreira

Clarissa. Ou Setty. Carioca, estudante de jornalismo e aspirante a diretora. Montadora de playlists profissional, puxa saco de mulheres na arte em geral e satirista em tempo integral. Nerd pra umas coisas e punk pra outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *