Primeiras impressões – 4ª temporada de Better Call Saul

Esse post contém spoilers das três temporadas de Better Call Saul

Os primeiros dez minutos da volta de Better Call Saul já mostra como a série, a partir desse ano, buscará cada vez mais se conectar com a obra que lhe deu origem, Breaking Bad. Com um flashfoward bem extenso, diga-se de passagem, é possível entender como Jimmy possui medo em todas as pequenas coisas que possam lhe remeter ao seu passado como advogado, o que já deixa o público entendendo como esse fato virá a ser explorado ao longo dos episódios, fato que já começa exatamente aqui.

Minikie Spiro realiza uma divisão bem clara na sua direção do episódio inicial, mostrando os pequenos arcos dramáticos que tiveram portas escancaradas no final da terceira temporada. A começar por Jimmy, Kim, Howard e Chuck, aonde é possível ter, logo de início, a confirmação que o último realmente faleceu no incêndio. Esse grupo forma dois momentos extremamente sintomáticos para o atual pensamento do protagonista da obra: sua tentativa de ser amável durante a cena do velório e o final, aonde esse parece não ligar em nada para os sentimentos de remorso presente no comandante da empresa de advocacia. Esse momento, corroborando com os créditos sem música alguma, já demonstram a frieza bem clara que estará presente nesse ano.

Em sequência, Mike ainda não teve sua devida relevância, porém é possível ver como o roteiro de Vince Gilligan já denota um caminho bem claro para a sequência dos fatos. Se é possível citar algum momento chave, a atuação visceral de Jonathan Banks coloca em voga já dois. O primeiro na situação da discussão sobre a luta livre, no qual o personagem já explicita a importância da arma como instrumento de força – objeto que ele irá portar com veemência em um futuro próximo. O segundo já é sua demonstração de força, dando uma bronca nos funcionários da empresa, expondo sua força naquele contexto. Apesar de ser pouco utilizado, esse seu vigor físico será primordial durante a temporada.

Por fim, é possível ver Gus com seu recorrente pé atrás perante as ações perante Nacho. Esse foi o núcleo menos explorado, apenas naquela mesma continuidade de um primeiro episódio, aonde existe a necessidade de apenas mostrar que aquilo continua do jeito que estava. O mais importante foi apenas salientar que os negócios de Hector irão continuar, mesmo com esse debilitado pelo atentado que sofreu, acontecimento que deverá o levar ao seu famoso estado da cadeira de rodas.

Nesse início já foi possível perceber como essa temporada de Better Call Saul dará as caras de uma forma não muito diferente. Essa apresentação da continuidade dos fatos serviu muito mais para a audiência entender o que cada um dos personagens irá representar para esse momento da série, aonde parece muito mais próximo do fim.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido... e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *