Relacionamentos, cotidiano e Easy

Joe Swanberg, sem sombra de dúvidas, não é um dos cineastas mais conhecidos no cinema atual. Ouvir esse nome e nem chegar a lembrar quem ele é faz certo sentido. Apesar disso, o desconhecido Joe criou uma das melhor séries da atualidade e da Netflix, com a temática sobre relacionamentos: Easy.

Agora, você pode estar se perguntando sobre o que seria realmente esse seriado. Explicando de uma maneira bem simplista, ele é dividido duas temporadas de 8 episódios, sendo uma antologia de histórias sobre relacionamentos, independente de seu formato. Amizade, futuros amorosos, héteros, homossexuais, familiares, entre vizinhos etc. Essas mudanças geram uma carga de originalidade extremamente necessária para cada uma das tramas que aparecem, sempre trazendo novidades para o espectador. Nunca parece a mesma coisa e isso abre margem para quem assiste querer saber ainda mais sobre aqueles personagens, o que abre margem para continuações (e realmente acontece).

O cotidiano é tratado como pano de fundo para tudo se desenrolar. Esse é outra questão extremamente relevante, já que irá levar aquela famosa identificação com os acontecimentos. Nesse ponto é inevitável a comparação com Master of None, outra obra do canal de streaming vermelho. Mesmo assim, deve-se comentar o fato de que essa visão do comum não é perpassada através dos olhos daqueles protagonistas de suas histórias, mas sim através de algo quase isométrico e fora da realidade apresentada. Pode-se interpretar ou até criar teorias do o que foi pensado pelo roteirista, mas o fato é que ele parece prever que iremos julgar as ações de cada um ali, até mesmo antes delas acontecerem.

O primeiro ano é bem melhor que o segundo, mas ainda assim esse outro merece atenção. No início, o senso de novidade também se estabelece como algo relevante. Para além disso, o amor é tratado de um jeito primordial, levando cada um dos episódios a mostrarem uma face disso. Já na sequência, toda a mudança é vista já no primeiro capítulo, no qual a história é simplesmente sobre um ladrão de casas e os vizinhos procurando maneiras de tentar descobrir quem é e pegá-lo. A partir daí, um ar diferente é estabelecido, mas que não chega a prejudicar o gosto pelo seriado. No entanto, situações cativantes como as apresentadas durante a primeira temporada ainda fazem falta.

Easy é uma série extremamente simples, mas muito cativante no ponto que quer chegar. Com personagens interessantíssimos e alguns enredos muito intrigantes, é impossível quem assistir não se apaixonar pela beleza das histórias. Afinal das contas, é impossível esquecer tudo sem lembrar dos relacionamentos. E isso Swanberg sabe fazer muito bem.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido... e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *