Squeak The Mouse demonstra o absurdo nos quadrinhos

A Editora Veneta lançou no último mês de julho a clássica HQ italiana Squeak The Mouse. Escrita e desenhada pelo quadrinista Massimo Mattioli, na qual tem obras como SuperWest no currículo, a obra foi divulgada em um período muito forte culturalmente na Itália. Isso por todos os lados possíveis se for possível olhar. Em um domínio conservador muito forte no país, governado sucessivas vezes por partidos católicos, havia uma reação a todos esses ideias. Nisso, o giallo apareceu no cinema, na literatura e os quadrinhos se transformaram em uma grande subverção.

Squeak foi primeiro publicada pela editora italiana de quadrinhos Frigidaire, sendo iniciada em 1982. Essa mesma ainda publicou nomes como Tanino Liberatore, Filippo ScòzzarieAndrea Pazienza, entre outros. Pois bem, ao ser divulgada era possível ver com bastante clareza a linha seguida na trama. Basicamente, uma espécie de Tom e Jerry, com a disputa entre um rato e um gato. Contudo, o grande diferencial colocada por Massimo foi o total absurdo nas situações. Sendo assim, as perseguições com a violência mais sutil na animação, transformam-se aqui em sangue e tripas. Além disso, a sugestão erótica e sexual de outras histórias, é levada ao extremo nessa obra com sexo explícito inclusive.

Com isso, a narrativa, na qual possuía traços relativamente “fofos” a primeira vista, traçava uma questão muito mais pesada dentro da nona arte. O autor aproveita essa sua total disrupção do comum na continuidade do roteiro que busca ao máximo explorar como realizar isso, inclusive brincando com a linguagem da arte. As “mortes” dos desenhos no estilo não passavam de meros machucados, enquanto elas são verdadeiras aqui, com o retorno dos personagens como carnes, mortos-vivos e até esqueletos. Ao colocar de frente essas questões, ele até brinca indagando o público se os personagens estão dentro de uma HQ ou não, algo claramente retratado na parte do 3D/2D.

Sobre o sexo, bom… o que dizer? Mattioli eleva a pornografia até o limite para um quadrinho, mostrando situações explícitas sexuais entre os animais. Nessa, inclusive, imagens reais de vaginas e pênis são mostradas para deixar ainda mais claro as intenções de chocar no quadrinho. Esses instantes são tão com esse objetivo que acabam, em boa parte do tempo, quase não tendo uma função clara para a continuidade dessa perseguição.

Pode-se até alegar um certo lado meio machista nisso tudo, pelo fato das personagens femininas na narrativa servirem apenas para o sexo. Contudo, pensando em um outro lado, a ideia é realizar algo totalmente fora da realidade e realmente “degenerado” – caso essa seja a palavra certa para isso tudo. O foco em trazer uma perspectiva de um mundo totalmente maluco e na qual a possibilidade do erótico e da violência vivem lado a lado, elevam ainda mais a crítica buscada pelo autor.

Caso a HQ seja um sucesso, é possível que a Veneta traga novas HQ’s feitas por Massimo Mattioli. Apesar de polêmicas mundiais a parte, é definitivamente um trabalho meio impactante de ser lido, ainda mais em um contexto de crise política como o nosso. O objetivo bem claramente dele é de demonstrar quem os humanos são, em um contexto de grande domínio de um pensamento mais moral.

Squeak The Mouse tem o preço de capa de R$99,90 e pode ser adquirida, além da amazon, pelo site da editora.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido... e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *