Crítica: Zumbilândia – Atire duas vezes

Um raio nunca cai duas vezes no mesmo lugar. Menos em Hollywood. Aí, se ele fizer dinheiro o suficiente, pode cair no mesmo lugar quantas vezes ele quiser.

Quando Zumbilândia estreou no último semestre de 2009, o cinema ainda não estava recheado de sequências e refilmagens de títulos clássicos e sucessos antigos. O filme dirigido por Ruben Fleischer já funcionava bem como um frenético e eficiente filme de zumbis, mas se destacava ainda mais por seu humor e pelo quarteto de protagonistas, bem entrosados e transformando um roteiro já engraçado em algo ainda mais divertido. O sucesso financeiro e crítico do filme não foi surpresa, quase triplicando o orçamento. É de se estranhar, portanto, que uma sequência tenha demorado exatos dez anos para trazer o grupo de volta às telonas.

Zumbilândia: Atire duas vezes conta com o retorno de todo o time do original. Ainda que isso seja uma boa notícia, sempre há a preocupação: há necessidade? Há uma história a ser contada aqui? Felizmente, o roteiro de Rhett Reese e Paul Wernick mostra que o primeiro filme não foi sorte de iniciante. Dez anos se passaram e Columbus, Tallahassee, Wichita e Little Rock (Jesse Eisenberg, Woody Harrelson, Emma Stone e Abigail Breslin, respectivamente) estão morando na abandonada Casa Branca, sobrevivendo com muito sucesso ao apocalipse zumbi. No entanto, quando Columbus propõe Wichita em casamento, ela se assusta e foge com sua irmã. Os dois membros que sobraram começam a se acostumar com a vida a dois quando conhecem a espevitada Madison (Zoey Deutch), uma patricinha que sobreviveu ao apocalipse em um freezer desde os 14 anos. As coisas se complicam com o retorno de Wichita, em busca de munição e de ajuda, já que a caçula fugiu para um santuário com um pacifista adepto ao uso de drogas recreativas (para o terror de Tallahassee) ao mesmo tempo em que um novo tipo de zumbi, mais poderoso e mais resistente, começa a se espalhar pelo país. Temendo pela segurança de Little Rock, o grupo parte em direção ao santuário em Graceland, enfrentando zumbis mais perigosos e selvagens no caminho.

Resultado de imagem para zombieland double tap

Talvez o traço mais gritante de Atire Duas Vezes é como ele possui um DNA quase idêntico ao original. Não só por trás da câmeras, mas também em espírito, humor e universo. Infelizmente, isso também inclui os personagens. O antecessor faz um ótimo trabalhar ao transformar estes quatro indivíduos muito diferentes entre si, cada um com seu passado, personalidade e maneira de sobreviver no caos do apocalipse, não só em um grupo unido mas em uma família. Isso fica claro logo no começo da sequência, quando observamos a rotina que eles agora possuem, juntos. Quando apresentados com novos desafios e dilemas, no entanto, se comportam como se o dez anos entre o primeiro e o segundo filme nunca tivessem passado.

Além disso, outro aspecto gritante é como, em representação feminina, o filme também parece estar perdido em como as mulheres eram vistas neste tipo de filme em 2009. Deutch se diverte como a cabeça de vento Madison, e embora a personagem seja inevitavelmente engraçada pelo carisma da atriz, seu papel na trama e a futilidade exagerada da moça chegam a incomodar em alguns momentos. É quase certo que, alguns minutos depois de sua primeira aparição, muita gente tenha pensado: “É, ela deve ter algum segredo ou habilidade secreta. Ela é do mal”. Algo assim. Emma Stone, que dez anos depois se tornou um dos maiores nomes do elenco, faz o que pode com sua Wichita, que permanece no esteriótipo da garota descolada emocionalmente indisponível.

Resultado de imagem para zombieland double tap

Apesar disso, há alguns momentos realmente engraçados, como o encontro com Albuquerque (Luke Wilson) e Flagstaff (Thomas Middleditch), uma dupla que apresenta a mesma dinâmica dos personagens de Harrelson e Eisenberg. Pouco depois, um bem utilizado plano-sequência envolvendo uma museu do Elvis Presley e uma gangue de zumbis recém transformados.

No fim da sessão, Zumbilândia: Atire duas vezes mostra que o essencial para uma sequência está lá: o retorno da mesma equipe, ideias novas e criativas sobre o material anterior e a adição de novos personagens que acrescentam à trama. Ainda assim, se mostra muito preso ao que deu muito certo lá em 2009, talvez por medo de fazer algo muito diferente e desrespeitar o espírito da coisa. De qualquer maneira, isso não é suficiente para tirar a diversão dessa película, que mostra que, mais do que nunca, o mundo dos zumbis na sétima arte está longe de estar morto.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *