Globo de Ouro 2019 abre portas para uma das temporadas de premiações mais imprevisíveis

O dia 6 de janeiro de 2019 deu a partida para uma das épocas preferidas do ano por diversos cinéfilos: a temporada de premiações. Inicialmente, elas começam com os prêmios das associações de crítica no final do ano e se inicia com o Globo de Ouro sua fase televisiva. A partir de agora as premiações serão todas televisionadas até o fatídico dia 24 de fevereiro, quando acontece a cerimônia do Oscar, o maior prêmio de Hollywood.

Bom, com a partida dada é difícil dizer que a premiação do Globo de Ouro realmente serve como parâmetro para algo. Para quem não sabe, ela é dada pela associação de imprensa estrangeira de Hollywood, sendo, literalmente, algo mais ‘blockbuster‘, por assim dizer. Dificilmente algumas coisas deverão refletir na estátua do homem dourado nu no próximo mês, porém, com as indicações, é possível ver algumas tendências. Como falamos um pouco no Twitter do Senta Aíalgumas indicações dos sindicatos – onde boa parte dos votantes também vai vota no Oscar – acabam sendo mais confiáveis. Porém, utilizando o desse último dia 6 mais como critério das indicações, vamos falar um pouco sobre o que deverá vir pela frente.

Vitória de Green Book como Melhor Filme de Comédia/Musical.

É impossível não comentar a força adquirida por Bohemian Rhapsody há algum tempo. Desde as indicações em alguns outros lugares, o longa começa a ter bastante força na corrida, apesar de dificilmente aparecer como favorito a vencer nas próximas premiações. A ideia meio chapa-branca, sem ser tão diferenciado em algum aspecto, além da saída do diretor Bryan Singer por abuso sexual e questões de brigas internas podem deixar ele de lado. Mas é importante lembrar como funciona a premiação do Oscar, acabando dando o prêmio para os medianos e não aos mais votados em primeiro lugar. O grande chamariz da película ainda pode vir a ser Rami Malek, interpretando Freddie Mercury. Ele chega como o grande nome da disputa, ainda mais se Ethan Hawke não aparecer por First Reformed, todavia para isso teremos que esperar.

Green Book é outro chegando com uma impressionante potência. Já estava com grande cotação para ser indicado como melhor filme, mas agora ainda vem na potência para alguma inesperada vitória. As forças, novamente, são em torno das atuações da dupla principal: Viggo Mortensen e Maharshala Ali. O segundo, vencedor inclusive como ator coadjuvante no prêmio da imprensa internacional, entra na disputa de vez pelo prêmio em fevereiro. As próximas premiações irão mostrar até onde o longa pode realmente ir.

Roma é outra grande potência desde o final do ano passado. Com a vitória na noite do Globo de Ouro, Alfonso Cuarón chega como o grande nome para a categoria de melhor diretor, além da obra ser praticamente a grande vencedora de filme estrangeiro, onde dificilmente será desbancada por qualquer outro. Contudo, a grande categoria do ano – de melhor filme – ainda não é uma grande certeza, pelo simples fato de ser estrangeiro e da Netflix. É claro que ganhou a simpatia por boa parte dos votantes, mas ainda não se pode mostrar como a franca favorita.

Dos filmes que abordam a temática racial, os três saíram quase de mãos vazias, apesar de serem bons candidatos a lembranças nos próximos prêmios. Infiltrado na Klan chega como o mais forte, seja no número de possíveis indicações e vitórias, sendo a mais forte delas com melhor diretor. Se a Rua Beale Falasse é o franco favorito para melhor atriz coadjuvante com Regina King, porém tem perdido a potência para disputa em qualquer outra. A única outra nomeação deverá ser para trilha sonora, porém sem favoritismo. Enquanto isso, Pantera Negra surge como o menor. Deverá ser indicado para melhor filme, já sendo um feito histórico, entretanto sua vitória poderá ser apenas como melhor figurino e design de produção.

Nasce Uma Estrela e A Favorita correm com rigidez por fora. O primeiro é certeiro para conquista como canção original e ainda tem Lady Gaga no páreo de atriz. Como filme, pode vir até bem dependendo das vitórias nas próximas premiações, mas pareceu ter sido esquecido nos últimos tempos. Já o segundo disputa com impulso em melhor atriz, com Olivia Colman, mas deverá ficar mesmo com alguns dos prêmios mais técnicos.

Lady Gaga vencendo por Melhor Canção Original.

Por fim, Podres de Ricos, Um Lugar Silencioso e Vice surgem como grandes incógnitas. Enquanto os dois primeiros correm para conseguir qualquer vaga que seja no Oscar, o terceiro deverá aparecer mesmo nas categorias de atuação, na disputa mesmo pela de melhor ator. É possível que seja rememorado também como melhor filme, porém a má recepção da crítica e do público deixam tudo um pouco em cheque.

A partir desse último final de semana, as discussões de cinema se intensificaram. Agora, você que não quer perder nada, precisa começar a procurar as datas de estreia e ficar de olho nos lançamentos acontecendo nas próximas semanas pelas distribuidoras. Com as vitórias do Globo de Ouro 2019, essa temporada de prêmios se mostra uma das diversificadas e difíceis nos últimos anos, sem um grande favorito pela frente.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido... e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *