Les Miserábles e a transposição do teatro para a TV

Dentre as grandes obras da história da humanidade, é bem claro que Os Miseráveis, de Victor Hugo, está entre elas. Em uma das tramas mais conhecidas e já adaptadas para os mais diversos tipos artísticos (dentre eles filmes, peças teatrais, quadros, músicas e mais), ainda faltava trazer uma produção televisiva de destaque para o livro. Todavia, o diretor da minissérie, Tom Shankland, olha com muito mais amor para a adaptação teatral, que encena em apenas um ambiente toda a disposição e discussão proposta. Dessa forma, Shankland cria uma narrativa claramente efusiva em um melodramático televisivo.

Em Les Miserábles, o padrão é seguido. Observamos o nascimento, a prisão e a liberdade de Jean Valjean (Dominic West), um homem que busca apenas possuir dignidade em sua difícil vida. Apesar disso, é seguido pelo guarda Javert (David Oyelowo), que o marca e parece querer a todo custo destruir a possibilidade de felicidade em ser livre. Nesse meio tempo, os movimentos revolucionários de 1830 ganham força, movimentando a sociedade francesa.

Existe uma tratativa bem direta em buscar toda a relação dramática proposta. O fato de acompanhar uma trajetória da vida de um indivíduo já denota esse fato, algo bastante efusivo dentro do cinema clássico em filmes como Intolerância e Napoleão. Assim como esses, o seriado parece querer sempre rememorar uma relação histórica entre os reais acontecimentos e uma peça teatral. Com isso, a direção de Tom elucida bastante uma sobreposição de cenas megalomaníacas (como a queda de uma construção quando Jean está preso), com sequências simples, mas que denotam essa construção dos próprios personagens (o fim do primeiro episódio). É sempre uma questão central toda essa encenação baseada na própria ideia da encenação. As efusivas cenas de discussão se prolongam em um roteiro amarrado nas palavras. Tudo aqui elucida ainda mais esse aspecto amoroso com um ferramente narrativa clássica.

Afim de ilustrar um lado mais político dentro dos acontecimentos, é interessante a utilização de alguns arquétipos bem característicos para construir a imagem da sociedade do período. Dessa forma, a pobreza e um lado bastante moralizante acabam se tornando superiores a até mesmo as discussões meramente cotidianas dos personagens. Um exemplo claro disso é o casal Thénardier (Adeel Akhtar) e Madame Thénardier (Olivia Colman). Ambos possuem objetivos dramáticos bastante diretos: um lado de mesquinharinha, outro de trapaça e outro de ganância. Toda a proposição acontecida durante os episódios iniciais com a figura de Fantine (Lily Collins) reforçam esse papel de atitudes moralmente “erradas”, geram consequências idênticas.

Entretanto, nesse quesito de imagens sociais, não existe algo bem específico a alguns seres nessa construção de universo. É algo quase prático, fácil, passível de ser realizado por qualquer um, por mais bem que possa parecer. O próprio protagonista Jean se vê em uma condição de controle sobre Cosette (Ellie Bamber). Suas atitudes corriqueiras podem gerar também fins catastróficos para as vidas de outros, algo que a própria série deixa claro em seus momentos finadouros. Ocorre sim toda uma relação baseada na necessidade da existência de um regimento para com a sociedade, com esses microuniversos. E, toda esse baseio em algo clássico, quase retoma uma certa concepção ideológica – mesmo não tão clara -, sendo adotada pela obra.

Mesmo sabendo articular de forma bastante energética diversos elementos gráficos e da maneira que a narrativa se propõe na história, Les Miserábles carece de uma base temática a fundamentar isso tudo. Em alguns instantes, o diretor Tom Shankland eleva quase um caminho aleatório a ser seguido, buscando apenas a formalização preterida por suas escolhas técnicas. Existem até subtramas jogadas totalmente de lado e reaparecendo constantemente, como no caso de Gillenormand (David Bradley), aonde serve bem mais afim de trabalhar o lado dessa nobreza totalmente favorecida do que para com os acontecimentos. Se poderia existir algum objetivo em toda essa formalização, Shankland parece também não querer responder, afinal, basear tudo em algo já clássico parecia ser ainda mais fácil. Infelizmente, ele estava bastante enganado.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido... e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *