O que o futuro reserva para a franquia Velozes & Furiosos?

Diante da megalomania dos filmes atuais, com as suas missões internacionais, organizações secretas e feitos que desafiam as leis da física, é engraçado pensar no começo simples da franquia Velozes & Furiosos, no ínicio dos anos 2000, que envolvia um policial, Brian O’Conner (Paul Walker) se infiltrando no mundo de corridas clandestinas com carros tunados para capturar uma gangue de ladrões de carga, liderados por Dominic Toretto (Vin Diesel). Uma trama policial clássica, de um agente infiltrado que se envolve demais com aquilo que deveria combater, mas que tinha como grande novidade os aspectos da cultura do tuning, com carros modificados e extravagantes.

É improvável que as pessoas envolvidas na produção desse primeiro episódio imaginassem que esse seria o começo de uma franquia que resultaria em mais sete filmes, que em conjunto arrecadaram mais de U$ 5 bilhões e que agora conta com o seu primeiro spin-off, Velozes & Furiosos: Hobbs e Shawn. No derivado, o agente Luke Hobbs, interpretado por Dwayne Jhonson, e o criminoso Deckard Shawn, papel de Jason Statham, precisam se unir contra Brixton (Idris Elba), um terrorista com alterações cibernéticas que deseja tomar posse de um virus que pode colocar toda a humanidade em risco.

De corridas de rua a vilões superpoderosos, é um salto bem grande, e mostra um universo que não tem medo de mudar e acrescentar os elementos mais absurdos possíveis para fugir da mesmice. Então, o cenário para o futuro da franquia é um campo totalmente aberto, já que nada está realmente fora do alcance, mas mesmo com tantas possibilidades, três coisas sempre serão certas. Duas delas têm sido os pilares que sustentam esse mundo cada vez mais mirabolante: os carros velozes, naturalmente, e o conceito de família, algo que vem desde o primeiro filme, com cenas de Dom, sua irmã Mia e seu futuro cunhado Brian sentados juntos para comer churrasco, uma imagem que repete em outros longas. Até mesmo no derivado isso está presente, já que a personagem de Vanessa Kirby é irmã de Shawn, e pelo que mostra o trailer, Hobbs irá precisar da ajuda de sua família para combater a nova ameaça.

O terceiro elemento está fora das telas, mas foi essencial no caminho da franquia, o roteirista Chris Morgan, que estreou em Velozes & Furiosos no terceiro longa, Desafio em Tóquio. O grande trunfo de Morgan é justamente compreender a importância dos elementos anteriores, e construir uma trama que sempre os coloca em jogo, criando inventivas sequências automobilísticas e impondo diversos testes a ideia de família, de modo que os personagens nunca fiquem personalidades estáticas, mas sempre busquem uma evolução, como o próprio explica em entrevista para o site Collider, em 2017, “cada filme é como um desafio para os personagens e se eles conseguem resolvê-lo, eles meio que sobem de nível emocionalmente”.

Quando Velozes 8 foi anunciado, Vin Diesel afirmou que esse seria o início da trilogia final da saga, com os filmes 9 e 10 já chegando aos cinemas em 2020 e 2021, respectivamente. O oitavo filme introduz elementos que devem ter papel importante nesse desfecho, como a vilã Cipher, interpretada por Charlize Theron, que irá retornar para o nono longa, mais membros da família Shawn, agora uma aliada dos Toretto, também são colocados em jogo, e é claro, somos apresentados ao filho de Dom e Elena Neves (Elsa Pataky), o bebê Brian Toretto. Para Morgan, tudo pode acontecer nesses capítulos finais, desde que ajude a manter o público entretido.

No entanto, o futuro não está atrelado somente a franquia principal, como Hobbs e Shawn bem demonstra. Desde 2015 Vin Diesel afirma que derivados e prequels de diversos personagens estão em desenvolvimento, e o objetivo da Universal é mesmo de expandir o mundo da sua principal franquia. Em uma postagem no instagram do início desse ano, Diesel afirmou que três derivados estão sendo pensados, um deles é o longa com grande elenco feminino, e que já conta com equipe de roteiristas, são elas Nicole Perlman, Geneva Robertson-Dworet e Lindsay Beer. Além disso, sabe-se que Michelle Rodriguez terá forte participação nesse spin off, já que ele surgiu logo após a atriz reclamar do pouco carinho que o elenco feminino recebia. Os outros dois derivados ainda são desconhecidos. Também não será uma surpresa se, no caso de Hobbs e Shawn ser bem-sucedido, deste ganhar uma sequência.

Além do cinema, Velozes e Furiosos chegará também a TV, com parceria da Dreamworks e Netflix. Anunciada em abril de 2018, a série animada Spy Racers contará as aventuras de Tony Toretto, primo de Dom, que será recrutado por uma agência do governo para se infiltrar em perigosas corridas clandestinas para derrubar uma poderosa organização criminosa. A animação deve chegar ao serviço de streaming ainda esse ano.

Assim, parece que Dominic Toretto e sua grande família já tem o futuro delineado, e nada está totalmente no campo do impossível, até mesmo ir para o espaço pode acontecer, desde que a família tenha um bom motivo para cruzar essa fronteira, é claro.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *