Coluna do Pedro | Olivia Rodigo em Sour: uma nova estrela teen

Depois de muito tempo tentando, a Disney finalmente conseguiu emplacar uma nova estrela teen de proporções absurdas: Olivia Rodrigo. A menina fez sua estreia na série baseada nos filmes de High School Musical, em 2019, e tinha uma fã base fiel e pequena, de pessoas que assistiam e amavam a série, como quem vos escreve. 

Mas, assim como todas as outras estrelas mirins que passam pela casa do rato, ela precisava se aventurar com suas próprias músicas, “desvinculadas” da série. Mesmo que tenha maior liberdade que outras estrelas já tiveram, com composições próprias entrando no repertório da produção, como maravilhosa “All I Want”, a menina precisa do seu debut e singles interessantes. 

O que ninguém esperava, nem seu público, nem ela mesma e nem mesmo a Disney, é que o seu primeiro lançamento fosse ter o tamanho que teve. Quando Rodrigo lança um faixa extremamente bem produzida, com todas as influencias do trabalho de Jack Antanoff, e contando sobre tirar sua carta de direção no melhor estilo Taylor Swift, toda a história é automaticamente associada a um suposto relacionamento com seu colega de trabalho e par romantico na série e um triangulo amoroso com outra estrela da Disney. Tudo isso contado em vídeos de menos de 1 minuto no Tik Tok. A música logo foi parar no topo da Billboard 100, topo do Spotify, Apple Music, o clipe com milhões de visualizações. Ela conquistou tudo o que diversos artistas sonham em conquistar na sua primeira semana de um single. E ainda era seu primeiro. 

Acho que vale uma pausa para refletir o quanto o Tik Tok é o que dita o que consumimos hoje em dia. Doja Cat, Meghan Thee Stallion, Lil Nas X e muitos outros nomes tem muito a agradecer ao aplicativo de dancinhas. Se o artista der sorte de sua música cair nas graças dos usuários e se transformar num viral isso pode transformar drasticamente a vida de seu trabalho. É o aplicativo que dita as tendências, o que vai fazer sucesso, o que não vai e o ainda resgata hits antigos. E a Olivia conseguiu conquistar sem qualquer esforço.

“Driver’s License” foi um lançamento estrondoso e mesmo que muitos duvidem tem tudo pra se justificar. Mesmo que esteja longe de seguir padrões atuais, a música entrega uma letra honesta, uma das melhores pontes de 2021 (e a melhor do álbum) e uma produção que é dificil ver tão bem feita em um trabalho inciante. É o single principal e merecia ser, pois é a melhor do álbum. 

Mas Olivia Rodrigo ficou longe de se guardar com apenas um hit, assim que chegou com “deja vu”, seu segundo single e, aparentemente, mais um capítulo do triângulo amoroso, ela mostrou que sabia bem onde queria pisar e que estudou bem todos os passos para contar uma história através de letras pop: simples, porém com um algo a mais que deixa a musica intrigante. Contudo, é em “good 4 u” que ela consegue repetir os números de “drivers license” e ainda mostrar que ela fazia mais do que musicas bonitinhas e tristes no piano. Ela sabe ter raiva e sabe mostrar. Seguindo a nova tendência de 2021, que é a volta do pop/punk, Rodrigo mostra sua revolta com o namorado e ainda solta palavrões enquanto o faz. Isso é choque muito grande pra quem cresceu vendo as meninas da Disney tendo que se desculpar por um ensaio de revista um pouco mais sensual ou ser pega numa festa bebendo. Parece que a empresa finalmente percebeu que dar liberdade para suas cantoras é a solução. Obrigado Miley Cyrus por deixar o caminho mais simples para quem veio depois. 

Em “good 4 u” a cantora continua mostrando que fez certinho o curso EAD de composição de Taylor Swift. Fã declarada da loirinha, Olivia deixa respingar toda a influência que recebeu da cantora em seu álbum inteiro, mas sem deixar de mostrar sua própria personalidade. No entanto, é impossível deixar de reparar, pois vai do jeito de cantar, de escrever e até em samples. “1 step forward, 3 steps back” traz elementos de “New Year’s Day” da Taylor da melhor forma que se pode trazer um sample. Ela deu uma repaginada no instrumental e colocou seu coração na letra. 

Colocar o coração na verdade é o tema central desse trabalho. Durante as 12 faixas, nós conseguimos ter uma visão privilegiada do que Olivia tem passado desde quando se apaixonou, se decepcionou, suas inseguranças – tudo está bem descrito e aberto para identificação, seu principal triunfo como swiftie. Qualquer pessoa que já sofreu um desilusão amorosa vai encontrar algo ali pra poder lembrar e ficar meio tristonho. 

“traidor”, “enough for you” e “happier” são os destaques nesse quesito. As três são completamente emocionais e trazem uma confidencialidade sobre os sentimentos após um relacionamento que é crua, mas que traduzem muito bem em faixas que são bem produzidas e cativantes. Esse feito não consegue ser tão forte em “hope ur ok”, que pode surgir do mesmo lugar, mas não alcança as mesmas notas emotivas e parece estar ali por não ter escolha melhor nas pastas “músicas para colocar no Sour”. 

Para mim, a melhor versão dela surge em músicas que são primas de primeiro grau de “good 4 u”,” jealousy, jealousy” e “brutal”. As duas trazem inseguranças da forma mais raivosa e auto consciente possível, coisa que todo adolescente/jovem consegue se identificar. As guitarras levando a menina aonde Machine Gun Kelly, Miley e outros estão agora, sem precisar forçar uma atitude de fodona, onde ela não se encaixa. É simplesmente muito bom. 

Sour já pode ser considerado um dos debuts mais bem sucedidos de todos os tempos, akém de um possível comeback da Disney lançando popstars e o inicio de uma carreira que promete muitas coisas. É um álbum que sabe o que é e de quem é, sabe suas refererências e faz tudo muito bem feito e amarrado. Coeso e confirmando tendências, o debut de Olivia Rodrigo é um acerto que está sendo aclamado e merece tudo o que está tendo. Animado demais para o que virá por aí.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *