Os 30 anos das Tartarugas Ninjas na CCXP Worlds

2020 foi marcado por muitas coisas. Isolamento social, tristeza e alguns grandes nomes que deixaram o mundo. No entanto, também teve marcas positivas e de lembranças que devem ser feitas. Entre elas estão os 30 anos do primeiro filme das Tartarugas Ninjas. Foi a primeira adaptação oficial das HQs de Kevin Eastman e Peter Laird. Ambos, que estão com os quadrinhos sendo lançados completos no país pela editora Pipoca e Nanquim, também ganharam reconhecimento no palco da CCXP Worlds.

Quem participou do painel foi Eastman, acompanhado de Mateus Santolouco, quadrinista brasileiro que tem realizado produções do mundo das Tartarugas recentemente. Como fã de história na sua época de adolescência, Kevin começou a se interessar na produção dos renascentistas, especialmente de Leonardo Da Vinci. Ele conta que isso foi um dos pontapés para o início das obras.

“Nós adorávamos quadrinhos e não tínhamos nada, só nossa imaginação. Essa falta de limitação acabou abrindo possibilidades para criarmos coisas”, conta ele. “Não achávamos que sairia algo normal daquilo. Tanto que só tínhamos dinheiro para 3 mil edições. Porém as pessoas acabaram comprando e as vendas foramm aumentando a partir daí”.

Em um mundo em que os quadrinhos eram dominados pelo mainstream, a publicação de uma história com elementos extremamente fantásticos, além de ter tartarugas que lutavam parecia totalmente fora do rodar. E, de fato, eram. Eles começaram a conseguir o local que seria possível persistir nisso tudo.

Kevin chega a contar uma curiosidade que o nome de Donatello seria, na realidade, Bernini, por conta do artista Gian Lorezo Bernini – a qual Eastman era aficionado. Todavia, Peter ganhou na briga e o nome acabou ficando o conhecido atualmente pelos leitores.

Santolouco diz que conheceu as Tartarugas Ninjas através das animações dos anos 1990 no Brasil. Ele conta que, depois de ter assistido o filme pela mesma época, começou a se interessar cada vez mais pelos quadrinhos.

“Nesse momento foi em que houve a publicação de O Cavaleiro das Trevas e mais. Os quadrinhos estavam mais adultos e eu queria acompanhar isso, conhecer coisas novas”, Mateus fala.

Kevin também comentou bastante sobre o carinho que Santolouco tem trabalhado com as histórias cada vez mais. Ele diz que o olhar para os detalhes era algo que sempre o impressionou, chegando até a convidar para os dois realizarem uma coisa em conjunto.

“Você fo alguém que criou um novo universo das tartarugas”, completa.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido... e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *