CCXP 2019 – Dois Irmãos promete ser mais pessoal do que aparentava

Por Gabriel Carvalho

Quando foi anunciado, Dois Irmãos – Uma Jornada Fantástica não empolgou muitas pessoas. Na realidade, a obra pareceu ser mais um produto da concorrente, Dreamworks, do que da Pixar em si. Em termos de criação de universo, o caráter mitológico soou bastante genérico. Como o diretor do filme comentou no painel desse sábado da Disney, no Auditório Cinemark XD, o mundo da animação trabalha com inúmeras criaturas, como elfos, unicórnios, fadas e trolls. Fora isso, um conceito importante da obra é a mistura do fantástico com o ordinário, que transporta o espectador para um cenário em que a magia perdeu o apelo e se dissolveu em meio à tragédia urbana.

Mesmo que potencialmente rico – a quantidade de designs para personagens criados impressionou -, Dois Irmãos, por outro lado, não parecia ter uma alma, algo com que o seu universo pudesse trabalhar em um campo pessoal e sentimental. Esse preconceito, porém, morreu com a presença de Dan Scanlon, diretor do longa-metragem, que estabeleceu a proximidade da premissa do seu filme com sua própria história pessoal. Quando tinha 1 ano e seu irmão tinha 3, o pai dos meninos morreu, sem que eles ouvissem a voz dele. Como os vídeos domésticos não possuíam áudio na época, esse mistério por parte dos meninos permaneceu, até que, em uma gravação mágica, conseguiram conhecer a voz do pai deles, mesmo dizendo apenas “oi” e “tchau”.

O longa mantém essa simples ideia: jovens que cresceram sem conhecer verdadeiramente o pai deles e que têm a oportunidade de passarem um único momento com ele, depois que recebem um cajado mágico que invocaria-o por 24 horas. As coisas dão errado e o pai ressurge apenas com a metade do seu corpo – as pernas. Logo, os meninos precisarão desbravar o mundo atrás da magia que reside nos confins de um universo que há muito tempo deixou de ser fantástico. Assim sendo, o filme promete conciliar o drama de seus personagens com o caráter fantástico do universo. Nas cenas mostradas, isso se exemplificou bem, especialmente na última cena.

Nela, Barley (Chris Pratt) convence o seu irmão mais novo, Ian (Tom Holland), que possui dons mágicos, a criar uma ponte invisível e atravessá-la. O garoto tem medo, mas, no fim, realiza a proeza, o que encaminha a cena a sua resolução: o orgulho de Barley por Ian, ao mesmo tempo que a presença do pai é mencionada numa interação: “Eu consegui, pai”. Há qualidade dramática nesse segmento, na qual impulsiona a expectativa de que a produção consiga trabalhar bem essa sua jornada fantástica. Embora promissor, contudo, não ajuda muito o histórico de Dan Scanlon na empresa não ser muito bem sucedido: ele dirigiu Universidade Monstros, prequela do bastante superior Monstros S.A.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *