Crítica – Aeroporto Central THF

No início de Era o Hotel Cambridge, a diretora Eliane Caffé filma todos os cantos do hotel que será ambiente chave da história. Vemos tubulações, paredes, quartos e mais, algo que rodeia as pessoas ali dentro, que o cria senso de pertencimento tão relevante para entender o que a encenação futura de um constante conflito irá propor. Como diz a crítica Isabel Wittmann, o longa “abre com o esqueleto do edifício que lhe dá nome se desnudando”. Sendo assim, é possível fazer um comparativo quase reverso com Aeroporto Central THF. O que vemos nas primeiras cenas filmadas por Karim Aïnouz é a história sendo contada por uma guia de turismo. O ambiente faz parte de um passado para a Alemanha, no Aeroporto Tempelhof, rodado de uma história.

E, com isso, Karim coloca esse elemento chave de uma vida pulsante no espaço para apresentar, posteriormente, os imigrantes que vivem lá dentro. Um espaço que já teve uma significância para Hitler, como é dito em determinado momento pela guia, agora ganha contornos diversos. Não necessariamente como algo positivo, porém quase como uma ironia dos tempos passados. Com distanciamento no começo, o cineasta coloca esse espaço quase sempre de uma perspectiva geográfica para gerar um entendimento futuro. As poucas tramas representadas dentro da obra – até pela falta do tempo de um filme -, representam como pulsa esse aeroporto.

São duas perspectivas principais que levam a narrativa, a do estudante sírio Ibrahim Al Hussein e do fisioterapeuta iraquiano Qutaiba Nafea. Ambos praticamente chamam a câmera dentro do documentário e a direção de Karim trata isso quase como um elogio, cedendo um espaço cada vez maior para ambos. De certa forma, isso acaba anulando a proposta inicial de mostrar o todo como funcionamento de uma comunidade no embate por um lar. Porém, do mesmo jeito, é interessante como suas trajetórias causam um certo mal-estar, ainda mais pelo fato de ambos serem tão jovens. Existe quase uma rebeldia contida em cada ação de ajuda ao próximo, algo salientado nas cenas de diálogos.

O aeroporto ganha dimensões mais complexas a cada instante. Não faltam metáforas visuais afim de explorar a imensidão que aquelas possibilidades deveriam ter em suas vidas. Uma das cenas que mais externalizam isso é quando vemos crianças correndo pela pista de vôo, como se estivessem próximas de voar. A vida delas talvez possa ser alterada, diferente da de seus pais. A trajetória distante causa a maior sensação de desolamento, de um estágio bastante rodeado de angústias. Contudo, a busca dos personagens principais acaba traçando a narrativa para trajetórias que fazem esses períodos perderem sua força.

Esse é o primeiro documentário lançado por Karim Aïnouz que busca investigar a relação com seu passado sírio. O segundo foi lançado nesse ano em festivais, com o nome de Nardjes A.. De certa forma, é possível entender essa exploração de “heróis”para a circunstância, quase como se o cineasta buscassem um fim naquilo tudo. A situação daquelas pessoas é tão complexa (as cenas de cima mostrando blocos trata quase como uma cadeia), que a forma de andar por aquilo tudo é quase uma libertação. Mais interessante disso tudo é como Aeroporto Central THF adentra os olhares para quase uma realidade escondida – fortificando o fato deles estarem em um lugar abandonado. A exlclusão forma quase uma necessidade, necessidade de voar. Disso, a câmera consegue extrair a possibilidade do futuro.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido... e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *