Primeiras impressões: Titãs

Antes do seu lançamento, a primeira adaptação em live-action do grupo dos Jovens Titãs foi alvo de críticas e polêmicas envolvendo seu material promocional, principalmente sobre a caracterização dos personagens. Servindo como carro-chefe para o lançamento do serviço de streaming exclusivo para obras da DC Comics, o DC Universe, o primeiro episódio de Titãs chegou surpreendendo.

Sombria e violenta: as duas palavras que melhor definem esse episódio de estreia. A fotografia fria e gótica – até mesmo um pouco exagerada- ajuda a criar um ar obscuro, assumindo totalmente o tão falado lado sombrio da Dc Comics, que está perdendo força nos cinemas, mas que pelo visto quer ser mantido a qualquer custo, afinal, sangue e violência atrai público. Apesar dessa violência se mostrar gratuita em algumas partes, servindo apenas para contribuir com a apresentação dos personagens, é inegável que as lutas estão muito bem coreografadas. Outro ponto positivo são os efeitos especiais, que mesmo não estando dentro do padrão do que fãs de super-heróis estão acostumados, foi o melhor que pôde ser feito dentro do orçamento e acredito não ser algo que atrapalhe de maneira alguma a qualidade do seriado.

Imagem relacionada

A imagem que você conhece dos Jovens Titãs pela animação do Cartoon Network precisa ser deixada de lado ao assistir essa adaptação que busca trazer uma vibe mais realista. Ravena (Teagan Croft), que costuma ser reservada e antipática, fica responsável pela narrativa emocional, uma criança insegura e inocente que não compreende seus poderes, principalmente porque sua mãe, uma religiosa, acredita que a filha está possuída por demônios e a mantém cercada de crucifixos. Por conta de uma misteriosa visão, quando vê a morte dos pais de Robin, a personagem decide ir ao encontro do detetive Dick Grayson (Brenton Thwaites).

Grayson está recomeçando a sua vida longe do seu mentor, abandonando o posto de escudeiro fiel do Batman, ele quer construir sua imagem longe das sobras do Homem-Morcego, porém parece que vai ser mais difícil do que ele pensa, já que sua imagem foi construída atras de outro vigilante e a cidade acaba por não confiar em seu potencial. O futuro líder da equipe se apresenta como uma versão mais adulta, séria e experiente.

Estelar (Anna Diop) por sua vez, está longe de ser a personagem meiga que conhecemos. Anna Diop foi a mais criticada, recebendo diversos ataques na internet por causa do seu visual. No entanto, particularmente, foi a personagem que mais surpreendeu, com as cenas mais empolgantes do episódio. Diop sabe exatamente o que está fazendo, sua atuação está incrível e foi com certeza o destaque do episódio.  Mutano (Ryan Potter), o piadista do grupo, aparece apenas no final do episódio em uma cena cômica, mas é o gancho perfeito para os próximos episódios. Ainda não sabemos como a dinâmica do grupo funcionará e os personagens menos conhecidos que farão parte da trama, Rapina e Columba, só devem dar sinal de vida no segundo episódio.

Como primeiro episódio, o piloto claramente soube dividir o tempo de tela dos personagens sem que fique algo apressado, foi uma bela introdução dos protagonistas, mostrando que há um forte enredo a ser seguido,. Os 50 minutos passam voando, pois ele consegue manter um ritmo envolvente, algo difícil de ser ver em pilotos de séries de super-heróis que costumam enrolar uns episódios até mostrar o uniforme ou um superpoder. No fim das contas, ‘Titãs’ foi capaz de superar expectativas, a DC chegou chutando a porta com essa sua nova fase em seu serviço de streaming.  Agora resta esperar que ela saiba aproveitar bem esse seu momento.

Comentários

Ana Barbosa

Estudante de Jornalismo, feminista e enaltecedora de mulheres na arte. Viciada em séries, principalmente em Doctor Who, compra mais livros do que consegue ler e não recusa um café. A típica canceriana que chora em todos os filmes que assiste, ou pelo menos quase todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *