Crítica – Mank

Mank já nasceu polêmico. Inspirado no texto da crítica de cinema Pauline Kael sobre Cidadão Kane onde ela coloca em xeque a autoria de Orson Welles sobre o filme, e eleva outra figura relacionada a produção, mas não tão lembrada quanto o lendário diretor: o roteirista Herman Mankiewicz, o titular Mank, aqui interpretado por Gary Oldman. Embora o texto de Kael tenha sido desmentido ao longo dos anos, a história persiste, e agora ganha nova roupagem nas mãos do diretor David Fincher, com roteiro de seu falecido pai, Jack Fincher.

Mas Mank não está exatamente interessado na relação entre o roteirista e Welles, embora a narrativa seja estruturada ao entorno dela. O longa abre com Mank sendo levado para um rancho isolado para trabalhar no roteiro de Cidadão Kane. Fincher usa esse momento para firmar a posição de Mank como uma figura apagada, sua introdução ao filme é sem pompa ou circunstância, e na verdade, até digna de pena, já que está com a perna quebrada. Welles (Tom Burke) é apresentado principalmente por sua voz, sendo uma presença mais imaterial por boa parte da trama, mas constante, com suas ligações causando um certo nervosismo nos personagens.

Enquanto Mank se ocupa com o roteiro, sua memória volta a diversos pontos do seu passado. E são nesses flashbacks que a trama encontra seu eixo narrativo, e a proposta de ser uma análise da Hollywood dos anos 30 e 40 ganha vida. Nessas seções, o protagonista se encontra com diversas figuras importantes de Hollywood da época, como a atriz Marion Davies (Amanda Seyfried), os produtores Louis Mayer (Arliss Howard) e Irving Thalberg (Ferdinand Kingsley), além da grande inspiração para o personagem Charles Foster Kane, o magnata William Randolph Hearst (Charles Dance). Nas idas e vindas com esses personagens, Fincher constrói uma visão sem qualquer espécie de glamour sobre a época.

Um momento em particular vem a cabeça, quando Mank visita o set de filmagem de algum faroeste. É dado um certo foco nos trabalhadores em cena, como operadores de câmera, de som, iluminação e etc. Ao som de “ação”, todos vão as suas posições necessárias para cena, e ao som de “corta”, o destaque vai para as reações daquelas pessoas, que beiram o tédio ou o simples cansaço. Hollywood pode até ser uma “máquina de sonhos”, mas essa máquina funciona como um trabalho qualquer. É nesses retratos da época que Mank brilha. Outro momento que vale ser destacado é quando Mayer precisa conversar com seus trabalhadores para avisar da redução de metade do salários, o personagem é colocado em um palco para discursar para seu “público”, com o produtor deixando as lágrimas escorrerem livremente. Ao ser bem sucedido, Mayer logo volta aos bastidores, sorridente. Não é só na frente das câmeras que a atuação ocorre.

Mas o que predomina na produção é uma certa dissonância de tom. Fincher não é exatamente um cineasta conhecido pelo seu humor e drama, mas sim por uma certa frieza no seu jeito mais formal de filmar as coisas, mas Mank é uma obra mais voltada para o humor “engraçadinho”, espirituoso, sem que Fincher adeque seu estilo a isso. É no mínimo estranho acompanhar uma cena com uma trilha sonora toda animada, com personagens disparando piadas uns para os outros dentro da rigidez típica do diretor. E é curioso observar também como o cineasta, acostumado a tratar com personagens complexos em suas obras, simplesmente não consegue fazer com que Mank se destaque. É frequente que o personagem seja referido por sua genialidade ou coisas do tipo, mas isso não se reflete em nenhum momento, e o protagonista funciona mais como uma espécie de Forrest Gump da antiga Hollywood, conduzindo mais o retrato de uma era do que uma biografia propriamente dita.

Mesmo nascendo de uma polêmica, Mank acaba por fugir dela, e, no final das contas, acaba sendo pra pior, já que o produto final deixa pouco a ser lembrado quando os créditos sobem. É claramente um projeto caro à David Fincher, com seus bons momentos explorando as dinâmicas da época, mas é, sem dúvidas, uma obra menor em sua carreira.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *