Crítica – Mirador

Pais solo são uma raridade no cinema, enquanto a ideia de paternidade não. Muitos filmes discutem o que envolve e o que é de fato ser pai, por meio das mais diversas óticas, seja na animação, como em Procurando Nemo, no drama, como Ladrão de Bicicletas, e em filmes de terror, além do sobrenatural, muitas vezes o protagonista precisa reconquistar o amor de seu filho e entender o que significa ser pai, como no recente Invasão Zumbi. Nesse sentido, Mirador é, ao seu modo, uma novidade por ter uma visão bem naturalista sobre o assunto, sem glorificações ou dramas típicos do gênero.

Com direção de Bruno Costa, o longa tem como protagonista Maycon (Edison Silva) um boxeador que mora só na sua pequena casa em Curitiba. De noite, ele trabalha como lavador de pratos em um restaurante e assim segue sua solitária vida. Só um elemento altera sua rotina, que é sua filha, Malu (Maria Luiza da Costa), fruto de uma relação casual, que ele visita de vez em quando. Isso muda quando a mãe da criança simplesmente desaparece, deixando um bilhete para Maycon, que não explica muita coisa. Assim, Malu passa a fazer parte da sua vida de forma integral, e sua rotina terá que mudar para acomodá-la.

Bruno Costa estabelece muito bem a rotina eficaz que Maycon tem na sua vida sozinho. A montagem é célere, sem espaço para “gorduras”, e se modula muito bem a cada situação específica da vida desse homem. A cena de boxe, por exemplo, não estaria fora de lugar em um Creed da vida, enquanto as de cotidiano são comuns, sem muitos floreios técnicos. A encenação muda de modo sutil quando a criança entra em cena. Os cortes eficazes agora somem um pouco, a porta que se fechava de modo rápido acompanhado o corte, agora é tudo um pouco mais “frouxo”, enquanto a pequena Malu se desloca pelo cenário com seu jeito infantil graciosamente desengonçado.

Assim, boa parte da narrativa é marcada pelos ajustes que Maycon deve fazer a sua rotina, as cenas de boxe perdem sua intensidade, já que no fundo do plano, lá está Malu, assim como, pelo menos é o que imagino, ela está sempre no fundo dos pensamentos do protagonista. O horário do almoço, que era uma mera burocracia do dia a dia, agora envolve a negociação típica de alimentar uma criança. Nada disso é glorificado, no entanto, Maycon nunca é “o paizão” que larga tudo pela filha, são constantes os momentos que a menina está ao seu lado e ele simplesmente está absorto no celular.

O que não significa que ele não tenha que fazer sacrifícios, como vender sua moto ou aceitar um trabalho menos que desejável para poder sustentar a nova realidade. Há momentos que Mirador flerta com certos clichês de filmes com famílias não convencionais, como a possibilidade de ter a criança levada pelo Estado devido a uma denuncia anônima de maus tratos, mas isso ganha uma resolução rápida.

Apesar de ser um tanto rápido demais para abordar tudo que propõe – como a questão da burocracia que impede Maycon de colocar a filha em uma creche -, Mirador consegue costurar de modo eficaz as diversas dificuldades e alegrias da vida de um pai solo. Sem romantização ou miserabilismo, se apoiando na graça do cotidiano.

Esse texto faz parte da nossa cobertura da 24ª Mostra Tiradentes.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *