Me!: A volta fofa de Taylor

Taylor Swift saiu de uma fase de sua carreira onde foi duramente criticada e perseguida pela mídia. Tretas com Kanye West e Katy Perry e até associações com o nazismo. Ela decidiu dar um ponto final nisso com a sua era Reputation, onde aceitou a posição de vilã que sempre a colocavam. Como sempre, quebrou recordes, ganhou prêmios e lotou estádios. Não dava entrevistas e ficou fora da mídia, o que foi bom para público descansar de sua imagem.

Então, pouco tempo depois de sua tour acabar, ela começa a soltar pequenas informações, imagens com a identidade visual da nova era e o buzz começa a aumentar em volta de seu novo single. A grande surpresa foi descobrir que a música seria um single com o Brendon Urie, o vocalista (e basicamente único integrante) do Panic! at the Disco. Sendo de polos diferentes da música, foi difícil de imaginar o que viria dessa parceria.

Quando veio foi fácil de perceber o por que Brendon estar ali: a música parece uma demo que deu errado do álbum Pray for the Wicked do P!ATD. A princípio pode parecer algo ruim. Mas não é. Pois Taylor da um nova vida a esse estilo tão característico do cantor. Ela coloca toda sua personalidade de princesinha do pop e transforma em uma canção extremamente grudenta. Foi uma boa maneira de sair da era anterior e voltar a sua antiga essência, sem necessariamente fazer country ou algo 1989. Essa transição veio sem parecer forcada, parecendo muito natural que ela queira voltar pro que sabe fazer melhor.

O clipe vem do mesmo diretor de “bad guy” e “god is a woman” e com isso poderíamos esperar algo colorido e grandioso, o que foi. É divertidíssimo acompanhar Brendon e Taylor brigando em francês, os gatos da cantora e as cores pastéis. Me lembra bastante o que a Sia está fazendo com Labrinth e Diplo na LSD

Essa temática e estética levou a cantora a ter muitas criticas por parecer muito infantil, no entanto Taylor Swift está confortável nessa nova fase. Parece que novos ares e novos endereços virão para uma das cantoras mais polêmicas e controversas do pop.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *