Resenha: Os 27 Crushes de Molly

Molly é uma menina judia que, aos 17 anos, reuniu 26 crushes e nenhum beijo. Tímida e insegura, ela nunca conseguiu falar com nenhum deles: todos acabaram sendo apenas uma paixão platônica. Molly não suportaria a ideia de levar um fora. Apesar da sua família e amigos a encorajarem a tomar coragem, ninguém entende como é viver na pele de uma adolescente fora dos padrões. Molly é gorda e, por causa dos bullying, ela desenvolveu ataques de pânico e agora toma remédio para ansiedade. Não é fácil estar na pele da adolescente, principalmente quando se te uma irmã gêmea magra e precisa ouvir comentários preconceituosos da sua avó sobre seu corpo. Para Molly isso nunca foi uma questão. Ela gosta de como é, o problema são as pessoas a sua volta que se incomodam com sua aparência. Essa é a história retratada em Os 27 Crushes de Molly.

Mas Molly está determinada a mudar isso, ela precisa se arriscar, principalmente depois da sua irmã gêmea, Cassie, começa a namorar Mina. Ela se sente abandonada, afinal, deixou de ser a primeira opção de Cassie, quem agora tem outra pessoa para dar atenção. A vida, engenhosa como ela é, trouxe de bandeja dois garotos no qual disputarão o título de crush 27: Will, melhor amigo de Mina – e na cabeça de Molly é a melhor opção, já que assim poderia voltar a passar mais tempo com Cassie -, um ruivo hipster, charmoso, confiante e lindo, o típico cara quem Molly jamais imaginaria que poderia gostar dela. Mas, ao contrário disso, ele aparenta estar bem interessado. O problema é que, para ir em encontro e mexer com a cabeça da jovem, temos Reid dos tênis brancos, filho de seus patrões e seu colega de trabalho, o garoto é extremamente fofo, atencioso e fã de histórias de fantasia, especialmente Tolkien.

Becky Albertalli, autora do livro.

Eu gostaria de ter lido Becky Albertalli na minha adolescência. A autora aborda tão bem e com tanta delicadeza temas como gordofobia e sexualidade. Ela deixa claro como é diferente para meninas gordas se envolverem romanticamente, principalmente nessa idade tão importante. Não é fácil e a culpa não é delas, e sim da sociedade que não as enxergam como seres humanos sentimentais que merecem serrem conquistadas e amadas. Um assunto muito interessante abordado aqui é o fato de Reid ser gordo e Mina ao soltar “ele não é uma pessoa para transar”, Molly se questiona o que diabos isso significa. Se duas pessoas gordas se gostam ou acreditam que elas serão perfeitas uma para outra pelo simples fato de serem gorda, ou deduzem que são dois desajustados, logo, não irão dar certo. Afinal de contas, na mente das pessoas gente gorda é igual desajustado.

A autora sempre prezou a representatividade e, como em todas as suas obras, ela não economizou na diversidade. Cassie é lésbica e namora Mina, na qual é pansexual. Molly e sua irmã são filhas de duas mulheres: Patty, bissexual, e Nadine, lésbica. Inclusive, a trama está situada no contexto em que houve a liberação da união homoafetiva nos Estados Unidos, então, suas mães, que apesarem de terem três filhos e estarem juntas há anos, resolvem organizar uma cerimônia de casamento.

Sabe o mais incrível? os livros de Becky se passam no mesmo universo, Molly e Cassie são primas de Abby, melhor amiga de Simon. Os 27 Crushes de Molly se ocorre entre Com Amor, Simon e Leah fora de Sintonia (essa – inclusive – seria a ordem ideal de leitura), e posso te afirmar que todos os três são apaixonantes. Eu amo a forma como autora desenvolve seus personagens e transmite uma mensagem tão importante para os jovens que estão passando por uma situação parecida. Mas o melhor, com certeza, são os casais que se formam, diferentes do que estamos habituados e bem próximos da nossa realidade, deixando a gente de coração bem quentinho ao finalizar a história.

Comentários

Ana Barbosa

Estudante de Jornalismo, feminista e enaltecedora de mulheres na arte. Viciada em séries, principalmente em Doctor Who, compra mais livros do que consegue ler e não recusa um café. A típica canceriana que chora em todos os filmes que assiste, ou pelo menos quase todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *