BBB21 termina com final emocionante em boa edição

O BBB21 finalizou com o esperado por muitos há bastante tempo. Juliette foi a grande vencedora do programa, com Camilla de Lucas em segundo lugar e Fiuk em terceiro. A briga pelo prêmio era algo já ultrapassado, porque era barbada que a paraibana ganharia. O fato mais curioso seria a festa e a final, além da disputa pela segunda colocação. Sobre esse fato, já falamos. Mas é necessário abordar tudo sobre esse grande último episódio da 21ª edição do programa. Como sempre, foi marcado por muita emoção e por um grande e belo plot twist que aconteceu.

E isso foi a aparição totalmente inesperada e espetacular de Lucas Penteado, cantando a música “Moleque de Vila”, com Projota. Ambos os participantes tiveram grandes rusgas no início da edição, mas foi bonita a forma como ultrapassaram isso – provavelmente através de muito diálogo. Todavia, a aparição, que veio no meio da canção, também foi motivo de muita celebração por parte dos três finalistas e do apresentador Tiago Leifert, visilmente emocionado. Lucas, um dos grandes chamarizes da temporada e responsável pela alta rejeição de diversas saídas, se mostrou como uma das figuras mais relevantes para o Big Brother Brasil, apesar de ter saído tão cedo.

Bom, se já falamos do ponto alto da noite, junto com a vitória de Juliette Freire do um milhão e meio, é inevitável não comentar alguns outros lados. Abordando primeiro esse assunto, o discurso do apresentador – que, aliás, é um dos grandes nomes do ano na TV – também foi marcado de uma intensa emoção. De certa forma, foi até interessante ter falado sobre a grande quantidade de seguidores, como forma de preparar a maquiadora para o que aconteceria em seu mundo dali para frente. A trajetória demarcada nos vídeos apresentados para os brothers demonstra bem o porquê de seu título.

Veja nossa crítica de A Vida Depois do Tombo

Ao mesmo tempo, esse também foi um detalhe curioso pelo grande destaque dado à Gilberto. Eliminado no último domingo e o outro grande protagonista da edição, ele esteve presente desde os momentos mais engraçados até os períodos intensos, de brigas e de amizade. Isso mostrou como era necessário que ele estivesse na final, especialmente por tudo que aconteceu ao seu redor. De toda forma, é super curioso a forma como a Globo o tratou, dando um impacto absurdo sobre a relevância que ele terá para o reality daqui para frente.

Em relação aos shows, talvez o mais esperado era sobre como seria a recepção de Karol Conká. A grande vilã do BBB21 veio em um visual inteiramente diferente sobre como era dentro da casa. Isso tudo, claro, faz parte de uma ideia de revisão da sua imagem, que foi marcada pelo maior recorde de rejeição do Big Brother. A apresentação de “Dilúvio”, sua nova música, foi marcada por um certo clima de novo olhar sobre tudo que passou. É como se estivesse tentando esquecer e a colocação dentro da final foi realmente uma forma interessante de comunicar isso ao público.

Com a final mais votada de todos os tempos, a consagração de Juliette em TV aberta foi boa de se assistir. Em um dia tão triste com a morte do humorista e ator Paulo Gustavo, o BBB trouxe uma certa felicidade a audiência. O episódio findouro mais visto em 11 anos – desde o BBB10 -, também foi marcado por surpresas e lágrimas. Ao tudo, o que restará da edição é uma saudade de participantes realmente muito marcantes e interessantes de acompanhar. Tomara que janeiro de 2022 chegue logo.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido... e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *