Cobertura Rio 2C – Parte 1

*Texto escrito por Cláudio Gabriel e Vinícius Barros.

O Rio 2C marcou seu segundo ano na Cidade das Artes realizando um evento de gigantesca escala e associação. Sendo, predominantemente, com palestras sobre comunicação, inovação e criatividade, ele reuniu grandes nomes da indústria, além de apresentação de diversas novidades, principalmente no audiovisual.

Dessa forma, o Senta Aí resolveu dividir nossa cobertura do Festival em 2 partes especiais!

– Ted Sarandos 

Créditos: Isabela Toscano/Beulasartes Fotografia

A grande abertura dos painéis grandes no Rio 2C se deu na quarta (24/04), com o chefão da Netflix, Ted Sarandos, falando no palco. Caso você queira saber com mais detalhes sobre o painel, clique aqui.

– Storytelling para serviços de streaming

Créditos: Isabela Toscano/Beulasartes Fotografia

A segunda grande palestra do dia foi sobre storytelling de séries em canais de streaming, focando, obviamente, nas produções brasileiras da Netflix. As participações foram dos roteiristas Elena Soarez, Michel Tikhomiroff, Caito Ortiz e Pedro Morelli. Por se tratarem de seriados originais, o destaque foi da maneira e forma de realização das histórias de cada um dos presentes.

O mais interessante de tudo acabou sendo esse foco específico de questões individuais, trazendo um certo nível de novidade a palestra. Como alguns dos realizadores tinham experiência prévia com cinema, chegaram até a falar sobre as diferenciações de realizar com outros roteiristas em conjunto e em uma trama de mais partes. Além disso, a necessidade da velocidade para produzir e a complexa maneira de escrever e contar narrativas foi o grande foco do painel.

– Novas oportunidades para a produção cinematográfica no Brasil

Créditos: Isabela Toscano/Beulasartes Fotografia

Saindo do lado da complexidade perante a séries, envergou-se para o caminho dessa produção do cinema. Em um período de complexidade pela pausa da ANCINE e desvalorização da arte cinematográfica brasileira (pontos debatidos pelos entrevistados), como o streaming tem sido uma porta de entrada para novas oportunidades. A presença de Bruno Garotti, Thalita Rebouças e Tomás Portello ainda adicionou e foi totalmente complementar, devido ao fato dos três possuírem diferentes caminhos de gênero. Sendo assim, a palestra ainda conseguiu envergar para uma parte dessa autorialidade de gêneros como o horror e suspense, por uma necessidade de espaços abertos a essas produções. A Netflix pareceu estar de portas abertas a isso.

– Rock in Rio: Por Dentro do Maior Festival de Música do Mundo

Créditos: Isabela Toscano/Beulasartes Fotografia

Uma das apresentações mais intrigantes de todo o festival foi sobre o processo de realização pela comunicação do Rock in Rio. Reunindo Renata Guaraná, Fernanda Estrella e Juliana Ribeiro, o comentário geral foi principalmente sobre a estruturação de marcas e formas de fazer o evento em si. Desde curiosidades (como a experiência sobre a venda física de ingressos em Portugal) até questões de licenciamento de marcas para o RIR (de qual maneira cada marca irá aparecer na divulgação), tudo foi uma grande aula aos presentes. Sejam aqueles interessados em um lado mais burocrático, sejam os atentos a uma questão mais de logística, o Rock in Rio parece um sucesso de todo e qualquer caminho.

– HBO Latin America Apresenta

Possivelmente uma das coletivas mais frutíferas do evento, a palestra da HBO contou com grandes nomes e a apresentações de projetos promissores do canal. Ministrada por Roberto Rios, que trabalha na empresa há mais de vinte anos, Andrea Barata Ribeiro e Gil Ribeiro explicaram sobre quais projetos atraem mais interesse de investidores e produtores e o porquê disso. Vera Egito conversou um pouco sobre sua vindoura série de comédia sobre adolescentes LGBT e Quico Meirelles (filho de Fernando Meirelles) falou sobre Pico da Neblina, projeto que aborda a legalização de drogas. A série, que se passa em São Paulo, teve uma longa procura por seus protagonistas, uma importante parte do projeto. A HBO ainda apresentou um pequeno teaser da série.

– A narrativa do hip-hop

Ministrada pelo produtor cultural do Rio 2C, a palestra sobre hip-hop contou com alguns dos maiores nomes atuais do rap: Xamã, Baco Exu do Blues, Delacruz e talvez o maior de todos, Marcelo D2. Os quatro artistas discutiram principalmente sobre esquemas de composição, lírica, rima e sobre como a música e o rap são fruto de suas experiências e como suas vidas foram profundamente transformadas por eles. D2 ainda falou sobre seu álbum visual, Amar é para os fortes e como foi enriquecedor mudar completamente sua visão como artistas ao abordar novas áreas como o roteiro e a direção. O álbum funciona como um filme semi-biográfico e conta com seu filho Stephan Peixoto interpretando o protagonista.

– Uma conversa com Charlie Brooker e Annabel Jones

Créditos: Isabela Toscano/Beulasartes Fotografia

Uma das palestras mais aguardadas de todas – talvez até a mais pela quantidade de presentes -, Charlie Brooker e Annabel Jones foram ao palco do Rio 2C falar sobre Black Mirror e a inovação no audiovisual. Dentre os principais pontos da conversa estão a complexa relação com a internet e mídias sociais dos dois, a questão de como a tecnologia não seria um inimigo na série e a não necessidade de abordar apenas distopia na obra. Os realizadores do atual grande fenômeno de mídia mundial, ainda tiveram tempo de falar sobre Bandersnatch e nos olhares para a realização de novos filmes/episódios interativos com esse universo. O mundo do seriado acaba sendo sempre melancólico, mas por quê? Para Brooker, “se a série está dando certo, então são más notícias para o mundo”.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *