Entrevista com Quentin Dolmaire, de Synonymes

Quentin Dolmaire tem ganhado, aos poucos, sua força dentro do cinema francês. Iniciando sua carreira ainda em 2015, fazendo um papel relativamente pequeno em Três Lembranças da Minha Juventude, de Arnaud Desplechin, o ator de 25 anos vai angariando uma escalada em sua trajetória. Synonymes, nova produção de Nadav Lapid em 2019, tornam-se – talvez – seu projeto e personagem mais complexo de ser realizado. Por isso, conversamos com Dolmaire para comentar sobre esse filme, o grande vencedor do Festival de Berlim em 2019.

Senta Aí: Como surgiu a possibilidade de participar do filme?

Quentin Dolmaire: Eu tive um teste de elenco em julho de 2017 para o filme. Eu fiz alguns testes porque eram três atores que podem atuar juntos Yoav, Caroline e Emile. A duas maiores cenas que eu tive para esse elenco foi a cena em que ouvimos música com Yoav, e quando Emile entrega Caroline a Yoav na ponte.

SA: Synonymes é uma história sobre construção de identidade no mundo contemporâneo. Qual é a maior dificuldade em construir o personagem dentro dele?

QD: Foi realmente difícil atuar como Emile. Ele tinha uma maneira muito estranha de falar, e Nadav [Lapid, diretor] é realmente exigente e intenso … Tentei escrever como Emile, pensei em Alain Delon em O Leopardo para me ajudar. sempre uso o texto para criar o caráter, mas o mais simples era trabalhar no fascínio entre Yoav e Emile. Eu aprendo muito assistindo Tom atuar.

SA: Como você acha que seu personagem reverbera no mundo de hoje? E como você acha que o filme pode se relacionar com isso?

QD: Eu acho que Emile reverbera é classe social; muito dinheiro desconectado da realidade. Mas ele também se parece com a queda do Ocidente; ele está exausto e deu tudo no passado. Ele não tem um livro grande para escrever, tudo está feito. Émile reverbera para mim, uma inteligência ocidental e um intelecto ocidental ‘inúteis; resumo (sem eficácia). Para mim, o filme fala sobre abstrato e concreto: Yoav está no concreto e Emile na abstenção.

SA: O mundo inteiro, cada vez mais, trouxe ao debate a questão da imigração, na qual teve um grande foco mundial nas políticas de Trump e Brexit, por exemplo. Você acredita que a história do filme traz essas questões?

QD: É possível … A conversa do filme é sobre muitos assuntos, é difícil ser sintética (o título da prova é este). É difícil para mim encontrar uma resposta para essa pergunta: o filme discute um tópico sobre imigração, mas essa é a história de Yoav, é uma história particular, então não é universal.

SA: Seu personagem acaba sendo totalmente atraído por essa nova figura, que é Yoav. Você acha que os sentimentos de Emile vão além em um caminho de paixão ou curiosidade?

QD: Para mim, é mais fascinante, é como Emile conhecer um personagem de um livro; do livro dele, talvez! Eu acho que a relação entre Yoav e Emile é: “o que é amor? Concretamente? É fazer amor? É compartilhar história? É seguir o outro cara? É ajudá-lo? Concretamente? É dar tudo (a esposa)? É uma questão política?”.

SA: Synonymes está rodando em todo o mundo atraindo muita atenção onde quer que tenham sido. Como é fazer parte desse projeto?

QD: Para mim, foi uma experiência muito forte durante as filmagens. Muito forte para ser guiado por Nadav, para ser assistido por ele, muito intenso, é como se nós representássemos uma peça de teatro com uma representação. Tenho muito orgulho de fazer parte de um projeto com uma estética tão especial.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido... e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *