Freaks and Geeks: Adolescência Atemporal

A Netflix Brasil adicionou, em abril de 2016, a série Freaks and Geeks, de 1999, ao seu catálogo. A série é idealizada por Paul Feig (conhecido por sua parceria em filmes de comédia com Melissa McCarthy e a nova adaptação dos Caça-Fantasmas) e produzida por Judd Apatow (conhecido por produzir filmes e séries de comédia como Ligeiramente Grávidos, Superbad, O Virgem de 40 Anos e a nova série da Netflix, Love).

Freaks and Geeks acompanha a história de oito jovens com idades distintas e de grupos sociais diferentes em uma escola americana durante o começo dos anos 80. A série tem como foco principal a família Weir e Lindsay, onde acompanhamos a sua jornada e sua mudança repentina após a morte da avó. E por que Freaks and Geeks é tão especial?


No começo, tinha uma opinião bem divergente sobre o caminho e a conclusão dos personagens, principalmente sobre o fato da série ter acabado cedo. Em mente, isso era a consequência do final ser tão ”aberto e meio desnecessário”, até por que eram épocas diferentes da vida, e hoje em dia, é conveniente extrair muito mais do que já tinha extraído naquela primeira vez.

A série foi criticamente aclamada e ganhou um Emmy de melhor casting de comédia, mas teve apenas uma temporada e foi cancelada antes do prazo devido a falha de audiência na época por parte dos horários a outros programas de emissoras concorrentes (no canal aberto NBC). A série teve um episódio-conclusão, que é, respectivamente, o 18º.

James Franco, Jason Segel, Seth Rogen, Paul Feig, Linda Cardellini e Judd Apatow nos bastidores (via Vanity Fair)

Mesmo Judd Apatow constando desde o início da série como produtor executivo, ele não tinha planos para embarcar no projeto até a FOX o contratar para dar mãos a Feig. O resultado foi bom, mas não o suficiente para emplacar com todos os gastos da série. Além do fracasso de audiência, mais da metade do orçamento para a produção da série foi gasto com direitos autorais do que seria a trilha-sonora da série, entre eles a mais cara: ‘Bad Reputation’, de Joan Jett, que vem a ser a música de abertura da série. Isso sem contar as músicas que rolam no background: De Van HalenKISSRush e The Who até (quaseNeil Young. A série só não conseguiu emplacar uma música de toda a trilha pré escolhida!

”Seu trabalho de casa é escutar música de verdade. Fique inspirado.”

Apesar de tudo, Freaks and Geeks é sim uma das séries mais interessantes, ambíguas, engraçadas, simples e atuais que nós temos nesses últimos tempos. Isso tudo devido a como tratam a adolescência e todas as consequências, pensamentos, esperanças para o futuro e como os adultos são parte da influência nessa parte tão conturbada da vida de qualquer garoto ou garota.

Os irmãos Weir ligam todos os outros personagens, e com o tempo, percebe-se o quão importante são as decisões que eles vão fazendo e por fim começando a concordar e entender a mente de cada um. Lindsay, personagem principal, nunca teve uma visão do seu futuro por sua parte, muito menos um planejamento pra vida. Todos os concursos e o tempo de estudo dedicado que ela gastou durante toda a sua infância e começo da adolescência não foram nada mais do que objetivos que seus próprios pais implantaram a ela seguindo o pensamento da época (e até hoje, diga-se de passagem) de uma ”vida de sucesso e felicidade”. Entrar em uma faculdade boa, né?

Os atores James Franco (Daniel) e Busy Philipps (Kim) nos bastidores
O ciclo dos freaks

Ou… O pessoal do colégio que gosta de rock e que tira notas baixas. Esse é um ponto importante para se entender não só a Lindsay, mas todos os personagens (e como todos eles são tão importantes quanto).

Assim como ela, tanto Daniel, que é o ”líder” do grupo, quanto Kim, Nick e Ken vão se estabilizando no seu verdadeiro eu e lentamente aceitando-o. Desde o começo da série até o último episódio, são claros os problemas de relacionamento entre a Kim e Lindsay, provocados principalmente por ser uma situação de estrutura de classe ”filha rejeitada” e ”filha sucedida”, o que gera motivo de conflito até hoje em qualquer tribo/movimento/relacionamento e em qualquer instituição ou lugares onde pessoas mantém afetos perto de serem pessoais por razões de convivência.

Linda Cardellini (Lindsay) e Jason Segel (Nick)

A parte mais interessante vai além do relacionamento da Lindsay com o grupo freak. A relação dos geeks e como eles são afetados por pessoas que tanto gostam visualizam depois de tempos que aquilo que ela consumiu a transformou em uma pessoa totalmente diferente, e a faz realizar que o status de ”ser legal” ou ser ”estranho e nerd” é pura besteira (e que ironicamente é todo o assunto da série, o preconceito e a má aceitação de seu próprio eu!), e que cada um absorve o que realmente quer ser, mesmo que involuntariamente. Quem nunca passou por isso antes?

”Só por que uma menina fala o que pensa, não significa que ela é uma psicopata.”
Contexto e tempo

Diante do gosto e os pensamentos machistas da nossa sociedade, o descobrimento e a aceitação de sua identidade como ser independente, a música, os dogmas, os vícios, os conflitos, as ideologias em geral… Tudo isso é o que torna a série cada vez mais inspiradora e perfeita em todos os sentidos da palavra: Como ela repassa o retrato de todos esses status da sociedade que existem plenamente hoje e como é importante reconhecer e viver isso.

”Não seja ruim. Apenas seja uma vadia.”

 

Contextualizando a situação, é importante ressaltar que a série assim tende a permanecer atemporal, não datada em seu sentido do que retrata, como retrata e como irá retratar. Por essas e outras, o reconhecimento de seu espaço é, mais do que nunca, dentre o gosto de uma geração marcada por temas dramáticos adolescentes… Todos, afinal.

E aos que viram ou verão, que sejam surpreendidos por essa história maravilhosa – por mais estranha que seja – da melhor fase da nossa vida e além!

A influência da banda Grateful Dead – que vocês descobrirão cedo ou tarde – em toda a série é a parte mais interessante da trilha-sonora. Para todos que se julgam obrigados a entender as nuances, o documentário The Other One: The Long, Strange Trip of Bob Weir (2014) é essencial pra esse final de jornada da série.

Influência

A maioria dos atores que compunham o elenco da série hoje em dia tem suas carreiras corriqueiras graças a ela. Linda Cardellini (Lindsay) tem trabalhado no thriller da Netflix ‘Bloodline’, além de ter feito uma ponta no filme dos Vingadores – A Era de Ultron (2015) como esposa do Gavião Arqueiro. John Francis Daley (Sam), escreveu o roteiro de Homem-Aranha – De Volta Ao Lar com seu sócio. Samm Levine (Neal) tem se dedicado a sua vida pessoal, mas como seu personagem, tem um alto conhecimento sobre cultura pop, e chegou a escrever artigos e participar de matérias sobre. Samm apareceu recentemente no filme Bastardos Inglórios (2010), do Tarantino. Tarantino adicionou Samm ao elenco do filme ”por ser um fã declarado dele e da série”. Martin Starr (Bill) é um ator ativo; Atualmente tem feito parte da nova série de sucesso da HBO ‘Silicon Valley’James Franco (Daniel), tem gasto seu tempo por trás das câmeras; Franco está montando projetos de direção, mas em meio tempo tem atuado. Participou do novo filme de Gia Coppola, Palo Alto. Seth Rogen (Ken), assim como seu parceiro Franco, tem dedicado sua vida a produzir. Atualmente, Rogen tem contribuído no roteiro-adaptação e produção da nova série da AMC baseado na série de quadrinhos Preacher, no qual Rogen se declara um fã. Jason Segel (Nick) é talvez o mais famoso no ramo de comédia nos tempos atuais; Fez parte do elenco da aclamada série ‘How I Met Your Mother’ e parte de sucessos de bilheteria como Os Muppets e Sex TapeBusy Philipps (Kim) participou de filmes de comédia como As Branquelas e dramas como ‘A Case of You’. Em 2011, ganhou prêmios por sua performance em ‘Cougar Town’.

Ensaio do casting original da série, 14 anos depois. Fotos por Vanity Fair.
Legado

Indo além do elenco principal, muitos atores em seu início de carreiras deixaram sua participação na série como Rashida Jones (conhecida por Parks and Recreation e The Office US), Matt Czuchry (Gilmore Girls, The Good Wife), David Koechner (The Office US), Shia LaBeouf (Nymphomaniac, Transformers), Jason Schwartzman (Scott Pilgrim, Marie Antoinette) até Ben Stiller (Reality Bites, Zoolander) como segurança do vice-presidente dos Estados Unidos.

James Franco e Seth Rogen estão com planos de voltar a ativa com uma continuação. Judd Apatow já confirmou seu apoio aos meninos, apesar de não receber nenhuma resposta da FOX.

Via Twitter, o ator Samm Levine (Neal), confirmou os boatos. Sem confirmação de uma segunda temporada, um documentário sobre a série foi produzido e lançado em 2018, participando de alguns festivais e foi exibido oficialmente como um episódio da série documental Cultureshock, do canal A&E.

Comentários

Clarissa Ferreira

Carioca, estudante de jornalismo e aspirante a diretora. Montadora de playlists profissional, puxa saco de mulheres na arte em geral e ativista em prol do cinema em tempo integral. Nas horas vagas, escrevo sobre filmes como forma não só de entender mais esse mundo mas buscar com que outros entendam e amem também. Vocês podem me achar pelo Twitter e pelo Letterboxd como: @clariexplains.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *