O fim da inocência: como as crianças dominaram o horror

O crescimento e o amadurecimento são temas quase inerentes à qualquer obra de ficção.

Embora isso seja um tema possível de abordar em qualquer protagonista, quanto mais jovem ele é mais claro isso pode ficar na narrativa ou em seu tom. Portanto, não é surpresa que as crianças e os adolescentes estejam no foco das obras que trabalham o processo de crescer de maneira mais segura, coesa e marcante. E, embora isso também seja um “gênero” por si só através do coming of age, ele também se mostra muito presente no drama, na comédia, romance, aventura e horror.

Nos anos 80, foi possível perceber uma onda de filmes onde a história se centrava em um grupo de crianças, pré-adolescentes e suas aventuras. Em uma década onde o perigo não era compatível com a liberdade de quem vivia nele, grupos de cinco ou mais desbravavam os segredos escondidos além das cercas brancas e gramados verdes, escondendo alienígenas, enfrentando vizinhos sugadores de sangue, lobisomens e outros tipo de ameaças cabulosas. Um dos melhores exemplos do gênero que gosto de chamar “criançada tocando o terror enquanto papai e mamãe não vê” é Os Goonies. Dirigido por Richard Donner, com grande renome graças ao sucesso de Superman, com produção e história original de ninguém menos que Steven Spielberg, o longa acompanhava um grupo de amigos que tenta salvar seu bairro buscando um tesouro secreto. Com uma trama simples e quase pueril, o filme pode não ter sido o maior dos sucessos na época de seu lançamento, mas marcou gerações em videolocadoras e exibições televisivas vespertinas.

Resultado de imagem para the goonies

A lista de filmes que segue essa fórmula continua: Conte Comigo, Deu a Louca nos Monstros, O Extraterrestre, Se Brincar o Bicho Morde, Os Garotos Perdidos… Uma tendência que voltou a ocupar as telas com Stranger Things em 2016. Os famosos e tão amados “filmes de turminha” (agora, séries também) voltaram. Mas o que faz essa fórmula ser tão atraente e (quase sempre) efetiva?

Uma das primeiras razões pode ser a nostalgia, cultural ou pessoal. A memória de viver aventuras, grandes ou pequenas, junto de seus amigos durante uma época tão especial e mágica quanto a infância é algo que dificilmente é esquecido. Pode ficar guardado, até abandonado, mas está sempre lá disponível para que possa aparecer de novo e são filmes como esse que trazem isso à tona. Não só a experiência própria de viver essas aventuras, mas também a de assisti-las. Toda a mitologia e a magia criada ao redor dessas obras e dessas turmas também deixa sua marca na personalidade e na vida de quem as assiste, deixando claro todo o apelo emocional que há por trás desse tipo de nostalgia.

Tendo isso em consideração, não é difícil perceber porque o efeito gerado por Stranger Things deu tão certo. Quando esse lado é colocado na perspectiva do horror, todos os efeitos são aumentados. A tensão e o perigo são maiores. Em It: A Coisa, isso é refletido perfeitamente. Bill, Beverly, Ben, Stan, Mike, Richie e Eddie enfrentam não só um palhaço assassino, mas também as pequenas histórias assustadoras da vida real: a violência, o bullying, famílias emocionalmente distantes ou que te machucam.

Resultado de imagem para losers club

Após o boom de Stranger, não é surpresa que o carisma do Clube dos Otários de It tenha rendido quase 700 milhões de dólares de bilheteria. Somado ao poder quase elétrico do nome de Stephen King e à força da história original de Pennywise e Derry, A Coisa mostra como ter talentos mais jovens no centro da história pode enriquecer ainda mais uma narrativa.

Resultado de imagem para childs play  2019 kids

Outros títulos que parecem vir nessa mesma onda são o remake de Brinquedo Assassino, Histórias Assustadoras para contar no escuro e as adaptações das obras de R. L. Stine, o Stephen King das crianças mais jovens ainda.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *