Primeiras impressões: YOU

Quando um produto faz muito sucesso, não é surpreendente que os nomes presentes nele sejam marcados por seu êxito. Em diversos casos, muitos atores e atrizes não encontram projetos que sejam atraiam tanto público ou atenção da crítica quanto o anterior. Quando o seriado YOU foi anunciado, muita gente torceu o nariz. Produzido pelo canal Lifetime (famoso por suas produções de qualidade duvidosa) e com nomes de estrelas que passaram por séries como Gossip Girl, Once Upon a Time e Pretty Little Liars, o seriado certamente não recebeu o hype que sua sinopse poderia trazer. O piloto de YOU, no entanto, pegou a todos desprevinidos e surpreendeu. Vou contar o porquê.

Guinevere Beck (Elizabeth Lail) estava procurando pelo livro Personagens Desesperados ao entrar em uma pequena livraria. Lá, ela é assistida pelo gerente Joe (Penn Badgley). Após trocarem alguns flertes e Beck seguir seu caminho, a jovem nem imagina que aqueles curtos momentos ao lado do livreiro seriam o suficiente para que ele tornasse completamente obcecado por ela.

Acompanhamos toda a história pela visão de Joe, portanto não é difícil decifrar as intenções do personagem logo de cara. O livreiro é uma pessoa muito observadora, estudando minuciosamente o comportamento de Guinevere durante suas interações, tendo interpretações bem pessoais sobre toda a situação, que até então o espectador não supõe ser nada alarmente. Até aquele momento, tudo não passa de uma auto estima talvez um pouco elevada demais.

Porém, momentos depois, tudo isso cai por terra. Joe começa a revelar atitudes e pensamentos nada saudáveis, para então percebermos que estamos lidando com um provável psicopata obcecado. Ele começa a perseguir Beck, cobrindo toda sua rotina, acompanhando-a em todos os lugares. O interessante do seriado é apostar no ponto de vista do antagonista, exigindo de quem assiste uma atenção em dobro para saber o que é real e o que não é, já que Joe interage com uma versão imaginária de Guinevere. Por exemplo, ele afirma que o apartamento da jovem tem janelas bem grandes e que qualquer um que passa na rua pode assistir tudo do lado de dentro. É possível testemunhar a escritora em momentos íntimos, de toalha, tendo relações sexuais e até mesmo se masturbando. Pode parecer surreal e até mesmo um furo de roteiro, mas como estamos presenciando tudo da percepção de uma maníaco, qualquer brecha é facilmente um palco com as cortinas abertas. Para compreender a narrativa, é essencial ficar atento.

Há diversos elementos que humanizam o personagem contribuindo para que simpatizemos com ele. Joe acredita que tudo que ele faz é em função de ajudar ao próximo e ele não hesitaria em fazer tudo que está ao seu alcance para melhorar a vida de quem precisa. Isso fica evidente principalmente na relação dele com seu vizinho adolescente que tem pais abusivos e frequentemente está do lado de fora do apartamento lendo um livro que Joe emprestou por ser muito atencioso com a criança e seu problema. O protagonista está tão convencido do seu altruísmo e empatia que ele não vai descansar até cumprir  sua missão de “ajudar” Beck. Ele está tão cego achando que tudo que ele faz está correto, que se convence que a vítima é muito sortuda por finalmente tê-lo conhecido. Além de alguns momentos de heroísmo e clichê, é somente no final que o programa demonstra a falta de moralidade da história com uma cena impactante de violência para dizer: Joe não é um cara legal.

YOU ainda tem muito terreno a ser explorado, mas seu primeiro episódio já equilibrou muito bem seus momentos de tensão e descontração, usando um alívio cômico para disfarçar um comportamento estranho do personagem. É uma série que pode ser bem perigosa se você permitir ou se não souberem para onde conduzir. Com uma narrativa acelerada e viciante, YOU pode ser do agrado de diferentes públicos, pois traz atores conhecidos do público jovem e um suspense denso com um enredo familiar, mas abordado de uma maneira singular.

O seriado já teve uma segunda temporada confirmada pelo Lifetime. No Brasil, ele será distribuído pela Netflix, mas ainda não há uma data confirmada para o lançamento.

Comentários

Ana Barbosa

Estudante de Jornalismo, feminista e enaltecedora de mulheres na arte. Viciada em séries, principalmente em Doctor Who, compra mais livros do que consegue ler e não recusa um café. A típica canceriana que chora em todos os filmes que assiste, ou pelo menos quase todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *