Resenha – Um Outro Brooklyn (Jacqueline Woodson)

O que constrói a identidade das pessoas de um lugar? Isso pode ser através da língua, do jeito de se vestir e até da forma que as pessoas aprenderam a viver seu cotidiano. Bairros nobres, na maioria dos casos, possuem “costumes particulares” diferentes daqueles que são realizados em bairros pobres. O mesmo acontece em centros urbanos e nas áreas rurais. Afinal, a consolidação do lugar em que estamos é fundamental para compreendermos quem somos no mundo. E isso também é um elemento catártico dentro da vida de uma pessoa que vive apenas em uma região pela vida inteira. Esse é o início da existência de Augusta quando, aos oito anos, se muda para o Brooklyn.

A criança é a protagonista de Um Outro Brooklyn. Ela, seu irmão e seu pai, além da vida pacata. Seus sentimentos, incompreensões de mundo, amizades, amores, e tudo mais. A existência em um lugar novo já é um fator primordial para o nascimento também de uma relação com esse lugar. E Augusta, a priori, possui um distanciamento, com o medo de ter ido para uma área totalmente nova. No entanto, ao se deparar com a realidade dali ser tão igual à sua desde sempre, a menina se vê imersa no bairro.

O mais interessante na construção narrativa de Jacqueline Woodson é como ela coloca as pequenas características do local como uma barreira para a vida da personagem principal. Tudo que vemos é sob seu olhar, por isso, ao se deparar com a necessidade de ir para uma escola nova, por exemplo, a situação torna-se muito mais traumática. Existe um desenvolvimento também da simples existência de Augusta. Ela ser negra, já causa, a si mesma, uma certa estranheza de universo, como se não pertencesse a lugar nenhum. Isso se agrava ainda mais com toda a conexão da história com sua mãe, que torna-se um capítulo à parte dentro da obra. A falta dessa figura é uma espécie de fardo sobre crescimento e amadurecimento da jovem.

A diagramação da cidade torna-se, desse jeito, sempre uma confusão mental para a narração da protagonista. Ela parece sempre se sentir uma visitante, turista e não necessariamente alguém que se mudou para viver ali. Como se confrontar nesse mundo em que tudo parece próximo de você, mas ao mesmo tempo tão distante? É um pouco disso que sente durante seu desenvolvimento. O fator primordial para uma mudança de perspectiva sobre as ruas é quando ela começa a sair e se movimentar mais, quando faz as primeiras e amizades mais fortes que têm. Esse laço de carinho a torna não mais um ser andante das vielas, mas uma persona parte desse cosmo.

É curioso perceber como Woodson brinca com uma realidade/não realidade dentro dos acontecimentos. Muitas vezes, ficamos em dúvida sobre a veracidade de alguma informação, especialmente por toda a trama ser narrada pelos olhos de Augusta. É como se, em alguns instantes, nem ela mesmo pudesse acreditar no que vivencia, tamanha complexidade de viver nesse ambiente. Por isso, vemos uma narrativa, apesar de apenas 100 páginas, até bastante arrastada, sempre nesse sentimento esquisito que a protagonista vivencia.

Desde sempre, buscamos entender qual seria nosso lugar no mundo, por que estaríamos aqui e aonde vamos chegar. É um pouco disso que sente também Augusta, nessa espécie de coming of age que é Um Outro Brooklyn. Misturando fatos da sua própria vida com uma irrealidade, Jacqueline Woodson constrói um universo pautado em um medo constante de dar o próximo passo, mas sabendo da necessidade disso. É nesse ponto que vemos a personagem principal, com medo de tudo, porém sempre enfrentando seus próprios demônios. Em qual lugar ela quer chegar? Pouco importa, já que a busca do livro é trazer esse sinuoso caminho de autoconhecimento. E não apenas como pessoa, mas também como uma mulher negra.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido... e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *