Tarantino fará um filme sobre o ano de 1969, o que isso pode significar?

Quentin Tarantino se tornou um dos diretores mais autorais (ou talvez nem tanto) e um dos mais queridos da indústria atual de Hollywood. A alguns meses, ele anunciou seu mais novo filme que, à primeira vista, seria sobre a seita de Charles Manson, mas acabou sendo melhor explicado: falará sobre o ano de 1969, usando a história de um ator que quer sair da TV e ir para o cinema, mostrando um pouco do contexto político e social da época. Mas o que isso pode significar, já que, definitivamente, esse será o filme mais diferente do artista?

O ano de 69 é marcante para o mundo, de uma maneira geral. Festival de Woodstock aconteceu, o primeiro homem pisou na lua, início da internet e assassinatos do grupo de Charles Manson. A terra se dividia entre o movimento hippie e o conservadorismo de uma maneira extremamente forte e marcante e isso, por si só, já poderia ser uma excelente obra. Dessa forma, podemos pensar como Tarantino poderá se utilizar disso para criar sua história. É sabido – por toda a filmografia do diretor – que ele gosta de trabalhar com temas que acabam se utilizando de cenas de ação e muito sangue. Uma história tão simples de um ator querendo ser um astro da sétima arte parece ser muito diferente, e talvez a ideia dele seja outra: que esse personagem explore tudo de sangrento que aconteceu nesse ano específico.

Margot Robbie, Brad Pitt, Leonardo DiCaprio, Tom Cruise e Samuel L. Jackson são alguns dos nomes que já começaram a conversar sobre um papel. Talvez um protagonismo para DiCaprio e Tom Cruise pudesse ser mais interessante, já que nunca trabalharam na filmografia do comandante de Pulp Fiction. E ainda, isso poderia ser também uma forma de desconstruir um pouco da imagem deles, fazendo parte de uma obra cinematográfica extremamente visceral e diferente, mesmo eles já se provando isso em papéis anteriores.

 

Parando para pensar, talvez a maior fonte de inspiração aqui possa ser o diretor Martin Scorsese, na qual Quentin possui uma imensa admiração. A ideia de trabalhar um ano e relatar os fatos deles através do olhar do protagonista pode ser vista muito na carreira de Martin, como: Os Bons Companheiros, Taxi Driver, O Lobo de Wall Street, entre outros.

Quentin Tarantino possui a faca e o queijo na mão para fazer sua mais nova obra-prima. Com a produção da Sony e um orçamento de US$100 milhões de dólares, ele talvez possa fazer seu filme mais diferente, mas, ao mesmo tempo, com aquela sua marca de sempre. Resta apenas para os fãs de cinema aguardar o momento de entrar na sala gigante e nos teletransportar para 1969.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido… e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *