Coluna do Pedro | As indicações do Grammy 2020

Os indicados para o Grammy 2020 saíram e podemos observar quais foram os artistas contemplados com uma indicação ao maior prêmio musical do mundo.

A cantora Lizzo estreia na premiação com a maior quantidade de indicações. São oito no total, sendo 4 delas as principais, 3 no nicho Urban e R&B, e uma de performance pop. A cantora trouxe polêmica, pois foi indicada em Artista Revelação, sendo que está na ativa por muito tempo e por que “Truth Hurts” foi lançada faz 2 anos. No entanto, não faria sentido não indicar uma das maiores músicas do ano (que foi relançada), além de não rememorar uma das maiores idas para o mainstream, que foi a cantora. Todas as indicações foram extreamemente compreensiveis e merecidas.

Quem recebeu muitas indicações foi a Billie Eilish, na qual já era esperada por aqui. A maior revelação do ano, a cantora ganhou o mundo com seu hit “bad guy” (indicado em várias categorias), estilo e personalidade. Não seria surpresa ver a menina (de apenas 17 anos!!!!!!!!!!!!!!) saindo da premiação com boa parte dos seis premios que foi indicada.

Outro que recebeu seis lembranças foi Lil Nas X, o que, particularmente, foi uma grande surpresa. Dono do hit orgânico “Old Town Road”, era esperado ele aparecer em colaboração e alguma de rap ou pop. Entretanto, o menino pode levar o Revelação, Gravação e ainda Álbum do Ano! Foi uma boa novidade e deu um orgulho de ver um menino negro e gay recebendo tanto reconhecimento pelo seu otimo trabalho.

A cantora Lizzo

Se estamos comentando surpresas, não vou mentir que foi estranho ver Lady Gaga ali de novo com a trilha de Star Is Born. Não fica parecendo, apesar de ser o contrário, que a trilha perdeu o timing da indicação? O que é estranho, considerando que a indicação de “Truth Hurts” (2017) parece tão certa e a de “I’ll Never Love Again”, tão distante. E no território divas e trilha sonoras, Beyoncé e o The Gift, álbum para o filme do Rei Leão, marcaram presença, o que era esperado. No entando, senti que Homecoming, outro trabalho da Queen B, poderia ter sido mais reconhecido. É um álbum excelente.

Outros trabalhos que poderiam ter sido mais reconhecidos foram o IGOR do Tyler, The Creator e o álbum da Rosalia.

O que estranhei foram as indicações da Taylor Swift. Apesar de não parecer que eles colocaram apenas para marcar presença (como foi o Reputation), senti que ele está deslocado e não deve levar. Claro que o álbum e as faixas indicadas merecem (e eu não reclamaria nem um pouco se “Lover” ganhasse Música do Ano), mas não está com cara de quem vai ganhar. Ao contrario de Ariana Grande, que possui boas chances em todas as categorias que concorre merecidamente. Merecidamente também como Lana Del Rey em Álbum do Ano. É uma excelente obra e senti falta de ver mais Lana nas categorias além dessa. Assim como senti falta da Solange num geral, o álbum da cantora é excelente.

Senti falta de muita coisa na verdade. O Grammy nos últimos anos vem se mostrando mais interessado em encontrar o equilibrio do que foi popular durante o ano e o que teve extrema qualidade. Esse ano, todavia, correu bastante para o apelo do que foi popular, porém parece que não vestiu a camisa completamente e deixou muitas coisas de fora. O Mark Ronson lançou um trabalho impecável e não aparece por aqui. Sua colaboração com Miley Cyrus deveria ter sido lembrada, assim como a de Sam Smith com Normani. E por falar niss, ONDE ESTÁ O K POP? Como assim BTS não estava presente em nenhuma categoria? Parece uma piada ler que “Señorita” e “boyfriend” foram indicadas enquanto “Boy With Love” não foi nem considerada.

O cantor Lil Nas X

“Boy With Love”, que me lembra logo o quanto a premiação esnobou a Halsey. A cantora entregou um dos maiores hits do ano e vem entregando trabalhos consistentes, coesos e a atuais, no entanto, “Without Me” nem para Música do Ano entrou. Que injustiça.

Trazendo um bom reflexo do que realmente foi o ano e o que ele trouxe, a Recording Academy não pode ter tido a melhor memória, mas o que lembrou – ao menos – foi justo. A premiação ocorre dia 26 de janeiro e Alicia Keys será a apresentadora – o que já é um indicativo que, pelo menos, bem apresentado e agradável o Grammy 2020 será.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *