Melhores obras de terror para curtir no Halloween

Nesse dia de Halloween, também conhecido como Dia das Bruxas no Brasil, o Senta Aí indica 8 obras relacionadas ao gênero para você. Vão desde filmes até jogos, passando por livros, séries e muito mais. O gênero de terror e suspense em seu melhor estilo. Confira abaixo nossas indicações!

 

. Guilherme Rodrigues

– Residente Evil (1996)

Meu contato com Resident Evil foi fora de ordem: muito antes de saber sobre os eventos na mansão abandonada nas montanhas Arklay, eu conhecia Racoon City, Nemesis e Jill Valentine. Era um contato superficial, meu encantamento se dava por conta da capa de Resident Evil 3, exposta no fliperama que frequentava quando minha mãe ia visitar as primas. Por algum motivo, nunca paguei para jogar o jogo lá, acredito que o dono do estabelecimento me achava novo demais para jogar e sempre me convencia a não fazê-lo.

Mas o jogo ocupava minha memória, e procurava sempre ler sobre ele nas revistas aleatórias de videogame que compravam para mim. Até que um dia, finalmente,  meu pai finalmente comprou, não o 3, mas o original, clássico, Resident Evil.

Não que na minha cabeça infantil houvesse qualquer diferença de um para o outro. Para mim, aquela mansão era somente um preâmbulo para ação na cidade que definiu os jogos seguintes. Não lembro se a ficha chegou a cair que isso nunca aconteceria, ou se ela caiu, não teve importância, o terror de encarar zumbis em espaços apertados com pouca munição e controles de tanque superava qualquer jogo até então. Cada confronto era questão de vida ou morte. Se hoje encarar centenas de zumbis em jogos é trivial, naquela época, três mortos vivos era uma luta que requer planejamento cuidadoso, para não desperdiçar a preciosa e limitada munição. Eu saia tremendo do meu quarto sempre que jogava, nunca mais senti nada do tipo. E é claro, não há como esquecer a introdução aos cachorros zumbis, que fez com que eu saísse correndo do quarto de puro terror.

– House of Leaves (2000)

Apesar de sempre ser encantado pelo gênero do terror, conforme saía da infância, ele nunca me causou tanto impacto emocional. O medo que muitos sentem com obras do gênero sempre me evadiu um pouco, mesmo eu sabendo reconhecer uma obra que se apoie em recursos baratos para dar susto – os famosos jump scares – de uma que efetivamente se articule para ser assustadora. A exceção para isso é o livro House of Leaves.

É difícil descrever a sensação de acompanhar a navegação na impossivel casa Davidson, o aspecto da obra que mais me fascina pessoalmente, e cuja forma do texto tenta acompanhar. Uma sala que passa a mudar de tamanho é expressada por meio de um texto que se compacta a cada página, corredores impossíveis se tornam parágrafos que se sobrepõem e assim por diante. É uma história dentro de uma história que escapa até mesmo para o mundo real. A sensação ao terminar de lê-lo, lá em 2014, foi que que o livro não havia terminado, mas sim que minha vida agora fazia parte dele.

 

. Pedro Barreto

– Filmes Pânico (1996-2011)

Nos anos 90, todos os tipos de filme de terror que envolva um assassino e adolescentes já tinha sido feito. Era um gênero que foi extremamente explorado e já tinham diversas franquias enormes sobre (os 9 filmes clássicos do Sexta Feira 13 que o digam). O que dá pra fazer quando não tem mais o que explorar? Ou remakes, ou deboche. E Wes Craven escolheu a melhor dessas formas.

Satirizando os clichês do gênero, Pânico entrega tensão, comédia e plot twist óbvios, propositalmente. Consagrando Neve Campbell como uma das rainhas dos gritos como a inteligente Sidney, até agora 4 filmes foram feitos e todos seguem uma formula parecida. As sequências, mesmo não tendo o mesmo frescor e inteligência do primeiro, ainda entretém mais do que qualquer outra sequencia de terror. O Pânico 5 está próximo e nada melhor do que uma maratona nesse Halloween para comemorar!

– Turn off the Light vol. 1 e 2 (2019)

Kim Petras é uma cantora pop em ascensão que vem fazendo barulho há algum tempo. Um dos motivos que ela chamou muita atenção foi o projeto de Halloween que a cantora lançou. Em 2018, ela liberou o volume 1 do projeto com musicas cativantes, com batidas pesadas e sombrias, mas sem deixar pra trás o dance-pop e voz aguda, suas características marcantes. Até participação da Rainha das Trevas, Elvira, ela conseguiu descolar! Em 2019,  finalizou lançando o segundo EP com mais músicas no mesmo estilo e deu aos seus fãs mais uma dose de músicas que se encaixam no feriado, pronto para agitar qualquer festa à fantasia de qualquer gay no dia 31.

 

. Vinícius Barros

– Assombração da casa da Colina (1959)

O livro que deu origem à hoje famosa série A Maldição da residência Hill foi escrito por Shirley Jackson, um das maiores nomes de suspense e terror estadunidense. O romance contém elementos que se tornariam marca registrada da autora, como a distorção da realidade e um profundo mergulho no psicológico dos personagens. A Assombração da Casa da Colina pode não conter tantos fantasmas literais como suas adaptações mas é igualmente aterrorizante.

– Kairo (2001)

O sucesso da franquia Ring no reviveu a produção de filmes de terror no Japão no final dos anos 1990, resultado em filmes que depois ganhariam inúmeras refilmagens ocidentais. Um deles é Pulse, que trazia os mortos tentando adentrar o mundo dos vivos através da internet. Mais do que uma história de fantasmas, o filme de Kiyoshi Kurosawa se torna assustador por sua relevância ao discutir as relações na era da internet e a solidão que vem com ela.

 

. Cláudio Gabriel

– Os Inocentes (1961)

Se tem um filme que me marcou pela primeira vez no aspecto do medo, esse foi Os Inocentes, de Jack Clayton. Longa adaptado do livro A Outra Volta do Parafuso, de Henry James, é uma das obras mais seminais do terror ao longo de sua história. E isso sob diversos aspectos, já que tem um horror psicológico único, com o medo que parece totalmente ao seu redor, criando uma atmosfera de um eterno suspense. Ao mesmo tempo que quando chega nos jumpscares, não tem medo de ser bastante gráfico, algo um pouco fora do padrão para os anos 60. Definitivamente, Os Inocentes é um filme que te marca para sempre.

– The Twilight Zone (1959-1964)

Ok, talvez eu esteja realmente roubando um pouco. The Twlight Zone não é DIRETAMENTE uma produção de terror, mas envolve muitos elementos do gênero. É uma produção de antologias, que ainda teve outras versões nos anos 90 e agora, em 2019. A ideia base do seriado é sempre discutir elementos insólitos, de uma espécie de horror social, o que pode ser através da fantasia, horror, suspense e até ficção-científica. Definitivamente, é uma produção perfeita para o Halloween.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *