Resenha – A Cachorra (Pilar Quintana)

Qual o peso do luto? Ainda mais diante da impossibilidade de se ter um filho após um feto morrer? É através desse questionamento que permeamos a trajetória de Damaris, uma mulher que está próxima da meia idade e vive uma vida frustrada. Uma dessas frustrações é seu casamento com Rogelio, que foi se perdendo ao longo do tempo, especialmente após saber da impossibilidade de engravidar. Para ela, que habita uma pequena cidade costeira da Colômbia, esse é um fardo que precisará carregar em toda sua existência. Os cachorros dentro de sua casa são todos treinados em um profundo ódio pelo marido, que os maltrata, apenas fazendo existir como forma de proteção para a residência.

No entanto, tudo começa a mudar quando Damaris descobre que uma das moradoras da cidade tem uma pequena cadela sobrando. Ela não só a adota, mas também coloca o nome da filha que perdeu. Apesar de negar, Damaris a trata como essa possibilidade de reconstrução da própria vida, desalinhada após essa situação. Em A Cachorra, Pilar Quintana constrói a existência de uma personagem quase inexistente. Através desse desafio psicológico construído sobre uma mente confusa da protagonista, enveredamos para uma história sobre luto, amor e violência – e todas as formas que eles podem ser expressados.

É impossível não comparar essa construção do lado mental de Quintana com os trabalhos de Sylvia Plath, principalmente A Redoma de Vidro. Damaris é uma personagem com complexos causados por si mesma e por uma sociedade concebida em uma ideia base de mãe e de família. Assim, todos ao seu redor a julgam, mesmo que em forma de “brincadeira”, por uma relação diferente disso. Um dos exemplos é quando sua irmã aborda a relação que ela tem com a cachorra, dizendo o lado mais claro de tudo: Damaris a quer como filha, e não como um animal de estimação. Toda a depressão que vai sendo empilhada nas primeiras páginas, a tornam uma figura dependente de qualquer coisa para simplesmente ser aceita. Nem que isso seja colocando a responsabilidade sob a cachorra.

No entanto, o mais curioso da obra é como, em sua curta duração, é possível consolidar um universo tão complexo como a autora faz aqui. Criamos em nossa mente toda uma relação entre as diversas personagens que aparecem, as diferentes formas de se locomover por esse ambiente, além de toda a relação do local com animais e a uma tradição patrimonialista. Por isso, a figura de Rogelio acaba sendo tão relevante para o desenvolvimento da trama. Ele é uma espécie de centro a ser caminhado para Damaris. Em um determinado momento da história, a cachorra acaba fugindo e isso os torna mais próximo – de forma quase contraditória. E isso, para ela, acaba sendo bastante positivo, como se o impacto do animal tivesse reverberação nesse sentido.

Essa construção de universo é tão idealizada em A Cachorra que acreditamos em cada uma daquelas figuras presentes, mesmo que se perpetuem de forma bem infantil. Tudo para esses seres vai para: ou o lado animalesco do ser humano, ou um julgamento a todo instante do outro. É uma sociedade realmente feita através de um olhar sobre o outro, em comparação sob si mesmo, e não olhando para dentro, em uma perspectiva individualizada. Por isso mesmo, toda a reflexão mental de Damaris acontece sob o ângulo de como os outros irão a olhar, e não como ela realmente irá se olhar nisso tudo.

O desenvolvimento narrativo de Pilar Quintana é digno de gênio. Ela consolida sua história em uma concepção macro e micro. Sob o olhar maior, vemos em A Cachorra uma trajetória de uma mulher que está se perdendo aos poucos na vida, especialmente pela sociedade que a coloca em determinado papel de inflexão. Ela, que só deveria ser mãe e esposa, não consegue ser nenhum dos dois, o que a torna uma verdadeira “fracassada” para esse núcleo. Internamente, observamos Damaris como uma persona que olha para todo esse julgamento de forma a realmente se ver na cruz. Quando resolve olhar para si mesma, ao adotar um animal, ela se coloca tão como parte dele, que não o deixa ser o que ele é: apenas um canino. Por isso, toda sua tentativa de ser alguém fora disso, ocorre dentro de determinada perspectiva que vai retomar esse julgamento.

Tudo isso nos leva ao fardo. É com ele que Damaris viverá sempre em sua vida, numa busca por um passado de felicidade distante – algo que o livro consolida muito bem nos capítulos finais. É como se tudo se figurasse em um ciclo sem fim, de uma solidão eterna dessa mulher (assim como é a de muitas outras). Quintana não constrói uma obra que visa uma felicidade futura, mas o peso de uma tristeza onipresente.

Comentários

Cláudio Gabriel

É apaixonado por cinema, séries, música, quadrinhos e qualquer elemento da cultura pop que o faça feliz. Seu maior sonho é ver o Senta Aí sendo reconhecido... e acha que isso está mais próximo do que se espera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *